Blog do Mauricio Stycer

Sem história, núcleos fracos e personagens bobos, "Sol Nascente" decepciona

Mauricio Stycer

10/10/2016 05h01

solnascentemariohelo
Disposta a avaliar a recepção de “Sol Nascente”, como faz com todas as suas novelas, a Globo ouviu cinco grupos de mulheres em São Paulo na última semana. De acordo com a coluna de Flavio Ricco, “ficou claro o desejo do público para que a novela se torne ‘mais folhetim’ e abra mais espaço para o romance e ação”.

Este resultado, descrito por meu colega no UOL, evidencia um problema grave que tem me chamado a atenção na novela de Walther Negrão, Suzana Pires e Julio Fischer: “Sol Nascente” praticamente não tem história.

A novela apresenta uma colcha de situações, com poucas conexões entre elas, personagens sem maiores motivações e quase nada que estimule a curiosidade do público.

solnascentenucleojaponesQual história “Sol Nascente” quer contar? A de uma família italiana que, com medo da Máfia, foi se refugiar no litoral de São Paulo? E a de uma família de imigrantes japoneses, que vive na mesma cidade e enfrenta os conflitos entre assimilação à cultura local ou preservação de seus costumes? É isso?

Com todo respeito a Negrão, um dos mais experientes e bem-sucedidos autores de novelas, mas esses dois fiapos de história são insuficientes para manter a curiosidade pela novela. A da família italiana, em chave cômica, é a milionésima vez que se vê num folhetim da TV. A da família japonesa é menos comum, mas as questões levantadas até agora são desinteressantes e o ruído causado pela escalação de dois atores não-japoneses (Luis Melo e Giovanna Antonelli) transformou esse núcleo numa aberração.

solnascenteralfOutro problema, na minha opinião, diz respeito à péssima caracterização de personagens essenciais. Não chega a ser incomum um adulto com cabeça de adolescente, mas em “Sol Nascente” isso parece ser regra – e é um incômodo para quem assiste.

O tatuador Ralf (Henri Castelli), sua irmã Lenita (Letícia Spiller) e o mecânico Mário (Bruno Gagliasso), para ficar apenas em três tipos importantes, são de uma imaturidade constrangedora. Não teria sido melhor escalar atores mais jovens? Ou caracterizar melhor o perfil dos personagens?

solnascentelauracardosoE o vilões Cesar (Rafael Cardoso) e sua avó Sinhá (Laura Cardoso)? Estão ali com a função, essencial, de criar conflitos e atrapalhar os heróis, mas alguém consegue entender por quê? Na falta de motivação clara (os negócios da dona de cassinos clandestinos), os autores se vêem obrigados a fazer os dois vilões explicarem tudo o que fazem para o público.

solnascentenucleocaicaras2“Sol Nascente” conta, também, com um núcleo de “caiçaras”, que vive da pesca, e é liderado por uma mulher, Chica (Tatiana Tibúrcio), com sensibilidade especial, capaz de intuir pensamentos e sentimentos. É um núcleo tratado, tanto pelo texto quanto pela direção, com um exotismo quase turístico – muito estranho em 2016.

Por fim, não posso deixar de observar que a caracterização de Francisco Cuoco como italiano é uma das piores que vi na televisão nos últimos anos — e olha que não faltam competidores neste quesito.

“Sol Nascente”, enfim, tem sido uma decepção até agora. Parece mais uma novela destinada a preencher o horário com entretenimento elementar e audiência regular. Nenhuma ambição além disso.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo