Topo

Ousado, “Zorra” debocha da própria Globo, de Bolsonaro e do público

Mauricio Stycer

04/11/2019 05h01

No "Zorra" deste sábado, Fernando Caruso satirizou a "live" do presidente Bolsonaro

Viralizou, aparentemente como programado, o quadro de abertura do "Zorra" exibido na noite de sábado (02) na Globo. Divulgado previamente no site da emissora, o esquete satiriza a já célebre "live" no Facebook na qual o presidente Jair Bolsonaro, muito exaltado, ofendeu o jornalismo da Globo e ameaçou não renovar a concessão do canal.

Fernando Caruso, aperfeiçoando a cada semana a sua imitação de Bolsonaro, repetiu parte das ofensas ditas pelo presidente ("isso é uma patifaria", "patifes", "canalhas"), mas alterou, claro, o alvo. Em vez das críticas de Bolsonaro ao jornalismo da emissora e, em especial, à reportagem do JN que associou o seu nome às investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco, o "Zorra" fez o seu "presidente" rir de exageros e absurdos vistos por espectadores em programas da área de entretenimento da Globo.

Seis foram os alvos do quadro: "A Dona do Pedaço", "Avenida Brasil", "Mais Você", Galvão Bueno, "Se Joga" e o próprio "Zorra". Lembrando muito o "militante revoltado", encarnado por Marcelo Adnet no saudoso "Tá no Ar", Caruso gritou:

"Como é que a Maria da Paz ganhou o Best Cake? É tudo manipulação isso daí!"

"Como é que a Nina não tinha um pendrive com as fotos da Carminha? E agora estão reprisando isso daí pra enganar o povo de novo!"

"Todo mundo sabe que o Louro José é um boneco!! Vocês não enganam ninguém, TV Globo! Eu quero saber, onde é que aquele homem enfia aquela mão ali? Tem criança assistindo isso dai!"

"Em 2022 tem Copa e eu vou questionar direitinho o seu Galvão Bueno para saber o que ele quer dizer com 'haja coração'!"

"E esse 'Se Joga'? Pra que três apresentadores, meu Deus! É pra insinuar alguma coisa com os meus três filhos?"

"E esse Zorra Total que não acaba? Quem garante que não foi o Jair desse Zorra Total aí que atendeu o porteiro no condomínio?"

Bolsonaro critica a Globo durante a transmissão ao vivo no Facebook

A eficácia do esquete deve-se justamente ao uso desta lente de aumento, desta "ampliação", da situação. Na primeira camada, está a exposição da forma de comunicação do presidente, cuja exaltação (imagem acima) naquela noite teve um caráter tragicômico.

Mas também é possível imaginar que, ao fazer o "presidente" vociferar, exaltado, contra detalhes extravagantes da programação, o "Zorra" apenas reproduziu o que muitos espectadores enxergam e expressam. O exagero do personagem, muitas vezes, é semelhante ao nosso exagero nas redes sociais.

Apenas a observação de encerramento se dirigiu a um concorrente, que é visto por Bolsonaro como exemplo de bom jornalismo. "Bom, agora vou dar um pulo no Jornal da Record! Boa noite a todos", diz Caruso. A fala, de fato, reproduziu uma menção feita pelo presidente na "live", mas me pareceu desnecessária. "Lacração", como dizem.

Neste quadro quase perfeito, o "Zorra" conseguiu rir do principal assunto da semana, sem poupar a própria Globo, Bolsonaro e o público.

* * *

Ouça o podcast UOL Vê TV, a mesa-redonda sobre televisão com os colunistas Chico Barney, Flávio Ricco e Mauricio Stycer. Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Mauricio Stycer