Topo

Globo lembra título de Oscar, mas não dá crédito para Silvio Luiz na Record

Mauricio Stycer

23/10/2019 12h09

Imagem de Oscar, na Record, de 1979, exibida pelo Altas Horas sem crédito à emissora e ao narrador Silvio Luiz

O "Altas Horas" lembrou neste último sábado os 40 anos de uma conquista histórica, o Mundial de Clubes de basquete vencido pelo Sírio, com Oscar Schmidt à frente de uma equipe brilhante, contra o Bosna Sarajevo, no ginásio do Ibirapuera, em 6 de outubro de 1979.

Convidado por Serginho Groisman a falar da conquista, Oscar lembrou: "A gente tinha um timaço. O nosso time era melhor que a seleção brasileira. Porque era a seleção brasileira com dois americanos", disse. O apresentador, então, anunciou: "A gente vai ver agora cenas desse dia".

O programa exibiu uma montagem com dois vídeos diferentes. No início, uma reportagem da Globo, relatando a conquista. Em seguida, trechos dos últimos segundos da partida final, narrada por Silvio Luiz e transmitida pela Record, que mostram Oscar chorando. E, finalizando, novamente trechos da reportagem da Globo, com depoimento do então jogador. O curioso crédito deste conjunto de imagens é "pesquisa Acervo".

Como me alertou o leitor Rodrigo Pereira, apenas duas emissoras brasileiras transmitiram o triunfo do Sírio: a TV Cultura (com narração de Luiz Noriega) e a Record TV (com Silvio Luiz).

Segundo o jornalista Edu Cesar, um grande especialista em memória do jornalismo esportivo no rádio e na TV, a reportagem da Globo sobre a partida é de Gilson Ribeiro. Já os comentários na transmissão de Silvio Luiz na Record são do jornalista Flavio Prado. Nenhum dos três foi creditado no VT exibido no "Altas Horas". Uma pena.

Pedi explicações à Globo no final da tarde de segunda-feira (21). Nesta quarta (23), a emissora reconheceu o erro no crédito. "A imagem é de 1979 e foi veiculada na Globo, nesta época. E, provavelmente por equívoco, foi indexada em nosso acervo como uma imagem cedida pela Confederação Brasileira de Basquete."

Abaixo, um trecho de 82 segundos do final do jogo, na transmissão da Record (resgatado por Edu Cesar e disponível no You Tube). Além da narração de Silvio Luiz e da reportagem de Flavio Prado, é possível ouvir também um comentarista (não identificado). É emocionante:

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Mauricio Stycer