Topo

Contra a fuga de audiência, Record estuda antecipar telejornal para as 20h

Mauricio Stycer

21/10/2019 17h31

Adriana Araújo e Celso Freitas, apresentadores do "Jornal da Record"

A Record estuda uma mudança drástica na grade no esforço de valorizar o seu principal telejornal, que acaba de estrear novo cenário e novo projeto. Com audiências muito baixas, na faixa dos 5 pontos, em São Paulo, o "Jornal da Record" vai passar a ser exibido mais cedo, fugindo do confronto direto com a novela principal da Globo, como ocorre hoje.

A ideia na emissora é mudar o telejornal para as 20h. Hoje indo ao ar às 21h30, o JR sofre com os bons números de audiência de "A Dona do Pedaço". Aliás, o sucesso da novela de Walcyr Carrasco também tem afetado os números do SBT.

A se confirmar este novo horário, o JR vai ser exibido no horário hoje ocupado pela novela "Topissima", que tem previsão de encerramento na primeira semana de dezembro.

Como já mostrei, após um primeiro quadrimestre com médias entre 8 e 9 pontos, a audiência do telejornal começou a cair em maio, mês da estreia de "A Dona do Pedaço", e desde agosto vem registrando médias abaixo dos 6 pontos.

Desde 10 de setembro, o JR também é apresentado no formato de boletins curtos em quatro horários ao longo da programação da emissora, um pela manhã, dois à tarde e um no final da noite. O boletim que vai ao ar colado no "Cidade Alerta" é o que registra melhor resultado em matéria de audiência, superior até à do telejornal principal.

Atualização em 13 de novembro: A emissora confirmou oficialmente que a partir da segunda-feira, 2 de dezembro, o "Jornal da Record" passa a ser exibido a partir das 19h45. Com isso, a novela "Topíssima" será transmitida às 20h30. E o "Rico e Lázaro", às 21h30.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Mauricio Stycer