Topo

Globo acerta ao homenagear humoristas veteranos no Zorra e na Escolinha

Mauricio Stycer

26/05/2019 05h01

Orlando Drummond e Marcos Caruso interpretam juntos Seu Peru na "Escolinha do Professor Raimundo"

Como seria de se esperar, uma bela homenagem ao ator e humorista Lucio Mauro (1927-2019) encerrou o "Zorra" no último sábado (18). A merecida lembrança acabou deixando em segundo plano uma outra reverência feita momentos antes pelo mesmo programa.

Por quatro minutos, o humorístico da Globo festejou os 50 anos de carreira de Alexandre Régis, veterano do elenco do próprio "Zorra", que começou em 1968, no "Balança Mas Não Cai". O programa fez uma espécie de "Arquivo Confidencial", repleto de lembranças e depoimentos sobre a trajetória de Régis.

Não é a primeira vez que o "Zorra", carinhosamente, se ocupa de homenagear artistas vivos. No Natal de 2015, o programa prestou reverência ao ator e cantor Tony Tornado, então com 85 anos. Foi uma homenagem emocionante, com a presença do filho, Lincoln Tornado cantando "BR-3"

Este ano, um outro programa de humor da emissora, a nova "Escolinha do Professor Raimundo", também vai prestar tributo a veteranos do humor. Com previsão de estreia apenas no final do ano, o humorístico está gravando no momento a sua quinta temporada.

Atores que viveram personagens na versão original, comandada por Chico Anysio (1931-2012), vão reaparecer, em participações especiais, como parentes dos atuais ocupantes da escolinha. O primeiro a gravar foi Orlando Drummond, que ganhou enorme fama por seu papel como Seu Peru – na nova versão, o personagem é vivido por Marcos Caruso.

Em 2015, na estreia da primeira temporada, o próprio Lucio Mauro havia feito uma participação especial, surgindo como o homem da limpeza da escola. Em 2018, no final da quinta temporada do "Tá No Ar", houve igualmente um grande tributo a diferentes gerações de humoristas.

Estas homenagens são fundamentais para lembrar que humor é processo, tem história, construída degrau a degrau, e a piada de hoje só é possível porque a piada de ontem, velha, fez graça no seu tempo. "Respeito com quem vem antes, generosidade com quem vem depois", costuma dizer Marcius Melhem, hoje o principal responsável pelos programas de humor da Globo.

Muito justo.

Stycer recomenda

. Estreia de "A Dona do Pedaço" apela para os valores familiares e às armas

. "Dona do Pedaço" tem a 4ª pior estreia no horário em 20 anos

. Fake news e drogas nas universidades: "Topíssima" vai além do nome ruim

. Filmes sobre vida de Silvio Santos ainda não decolaram. Talvez nem decolem

Melhor da semana
Renato Aragão: Entrei na internet por causa de fake news sobre minha morte

Pior da semana
Problema de Maísa não é a Globo, mas a falta de imaginação da sua pauta

Este texto, originalmente, foi acessado por quem está inscrito na newsletter UOL Vê TV, que é enviada às quintas-feiras por e-mail. Para receber, gratuitamente, é só se cadastrar aqui.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Mauricio Stycer