Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Na volta à TV, ataques ao rival ocupam 35% do tempo de Bolsonaro e Haddad

Mauricio Stycer

12/10/2018 14h09


Tentar desconstruir a imagem do adversário, apontar as contradições do rival, expor os perigos que ele representa são estratégias conhecidas em propaganda eleitoral. Mas assusta ver que a campanha do segundo turno comece dando mais peso a este tipo de publicidade negativa do que a anúncios com foco em questões positivas e propositivas. Cerca de 35% do tempo total do programa de estreia foi dedicado a ataques.

A batalha entre Bolsonaro (PSL) e Haddad (PT) começou nesta sexta-feira (12) apresentando cenários de filmes de ficção científica, sugerindo ao eleitor que uma distopia os aguarda se escolherem um ou o outro.

Bolsonaro dedicou os primeiros dois quintos do seu tempo (40%) com propaganda alarmista sobre governos de esquerda. Começou em 1990, falando da criação do Foro de São Paulo, "liderado por Lula e Fidel Castro", enquanto a "Europa se libertava do comunismo". "A semente de doutrinação e domínio político foi plantada em nossa pátria", informou o narrador, equiparando Cuba, Venezuela e Brasil. "Estamos à beira do abismo", avisou o programa do candidato.

Já Haddad abriu a sua propaganda destacando episódios de violência ou brutalidade cometidos por eleitores ou apoiadores do rival ("Uma onda de violência tomou conta do Brasil"). Citou o caso da morte, esfaqueado, de Moa do Catendê, mostrou imagens da mulher que teve o pescoço marcado por canivete com uma suástica e do candidato a deputado do PSL que rasgou uma placa em homenagem a Marielle Franco. "Se a violência já chegou nesse nível, imagina se ele fosse presidente", alertou o programa em seus primeiros 90 segundos (30% do total).

Temos ainda 14 dias de propaganda eleitoral pela frente. Esta estreia prenuncia que vai ser uma campanha pesada.

A propaganda de Bolsonaro

A propaganda de Haddad

Veja o horário eleitoral de Fernando Haddad

UOL Notícias

Veja também
Em programas na TV, Bolsonaro e Haddad ressaltam famílias e exploram medo

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.