Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Situação vivida por Luzia em “Segundo Sol” é idêntica à de série da HBO

Mauricio Stycer

10/09/2018 23h19


A esperada virada de "Segundo Sol", exibida no capítulo desta segunda-feira (10), colocou novamente Luzia (Giovanna Antonelli) no papel de vítima de uma armação. Num golpe tramado por Laureta (Adriana Esteves), a mocinha acordou na cama de um motel segurando uma faca ensanguentada, ao lado do corpo de Remy (Vladimir Brichta) esfaqueado.

A situação lembra muito o ponto de partida de "The Night Of", uma minissérie exibida pela HBO em 2016. A história de Richard Price e Steven Zaillian conta a história de Nasir "Naz" Khan, um estudante universitário paquistanês-americano ingênuo, que mora no Queens, em Nova York.

O rapaz rouba o táxi de seu pai para ir a uma festa, mas no caminho pega uma jovem, Andrea, e passa uma noite agitada com ela. Ao acordar, Naz a encontra morta, esfaqueada. Ele não lembra de nada e foge da cena do crime. Logo é preso. E vou encerrar os spoilers por aqui.

O momento em que Beto Falcão (Emilio Dantas) entra no quarto do motel e encontra Luzia segurando a faca lembrou, também, a novela anterior a "Segundo Sol", "O Outro Lado do Paraíso", em especial a cena em que Bete (Gloria Pires) entra no quarto do bordel e vê Clara (Bianca Bin) segurando a tesoura que causou a morte de Laerte (Raphael Vianna). O público sabe que a autora do crime foi Sophia (Marieta Severo), o que é ignorado pelas duas presentes na cena do crime.

Veja também
Luzia foge de cena da morte de Remy, e público não perdoa "burrice"
Segundo Sol: Se a burrice de Luzia já irrita às 21h30, imagina às 23h

Quem é o personagem mais burro de "Segundo Sol"?

Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer
É jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.