Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Naná usa dois colares diferentes em uma mesma cena de “Segundo Sol”

Mauricio Stycer

05/09/2018 15h48

Depois de um início repleto de erros de continuidade e falhas de produção, "Segundo Sol" aparentemente encontrou o prumo, acalmando os "detetives" que se divertem em caçar problemas em novelas.

Até que, nesta terça-feira (04), Naná (Arlete Salles) resolveu averiguar melhor uma história contada por Valentim (Danilo Mesquita). O ingênuo personagem flagrou Remy (Vladimir Brichta) instalado no apartamento de Karola (Deborah Secco) e contou para a avó.

Naná surrupiou a chave do apartamento da mochila do neto e se dirigiu ao prédio onde mora Karola. Ao entrar no apartamento, em silêncio, usava uma gargantilha com uma pedra azul turquesa. É com este mesmo colar que ela entra no quarto e grita, ao ver a mulher de Beto Falcão na cama com Remy: "O que significa isso?"

Passado o susto, os três concordam em conversar a respeito na sala. Naná se retira, enquanto Karola e Remy trocam olhares. Na imagem seguinte, já na sala, a mãe de Beto Falcão está usando uma corrente mais comprida, com uma pedra vermelha.

Trata-se de um erro de continuidade básico, causado certamente pela gravação da cena em dois momentos diferentes. Agradeço aos "detetives" Osvanil e Ana Bia pela observação.

Oito vezes em que alguém foi expulso ou fugiu de casa em Segundo Sol

Veja também
Detetive Vê TV: Homem é esquecido no fundo de um barco em Segundo Sol
"Fantasma", cenário repetido e volta no tempo: 5 tropeços de "Segundo Sol"
Furos em "Segundo Sol" incomodam o espectador, e ele tem razão de reclamar
Detetive Vê TV: "Segundo Sol" corrige erro de português em site

Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer
É jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.