Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

“Miriam não tem culpa; o mico foi criado para ela”, diz William Waack

Mauricio Stycer

05/08/2018 15h38

A ironia de William Waack com Miriam Leitão, obrigada a falar um editorial da Globo ditado pelo ponto eletrônico, foi mal vista por ex-colegas do jornalista na emissora. Muitos lembraram que o ex-apresentador do "Jornal da Globo" também usou ponto por muitos anos.

Na sexta-feira (03) à noite, encerrada uma entrevista com Jair Bolsonaro na GloboNews, Miriam pediu a todos que aguardassem um instante. Ela, então, reproduziu, à medida que ouvia no ponto, uma resposta oficial do Grupo Globo sobre o apoio dado ao golpe militar de 1964 e o reconhecimento, décadas depois, de que esse gesto foi um erro.

No sábado (04), Waack publicou um vídeo no seu canal no You Tube reproduzindo, com gestos, a hesitação de Miriam e comentou. "Eu falo as coisas pela minha consciência. As pessoas concordam, discordam, aplaudem, xingam, mas eu queria deixar um recado. Fiquem tranquilos: tudo que eu falo é por mim. Eu não tenho chefe no ponto".

Neste domingo (05), entre outros comentários recebidos pelo blog, um executivo da Globo, que pediu para não ser identificado, disse que Waack usou ponto eletrônico "obedientemente e com gosto" por cerca de 15 anos. Também disse que a ferramenta "salvou" o jornalista "de inúmeros erros".

O cientista político Celso Rocha de Barros, colunista da "Folha", observou que o ponto eletrônico poderia ter ajudado Waack no episódio que resultou no seu afastamento e posterior rescisão de contrato com a Globo, quando foi gravado fazendo comentários de cunho racista: "E o engraçado é que se tem um cara que teria se beneficiado com um 'cala a boca que tá gravando' é ele", escreveu Barros, no Twitter.

Procurado para comentar a repercussão, Waack esclareceu que sua crítica não teve como alvo Miriam Leitão. "A Miriam não tem culpa nenhuma. O mico foi criado para ela. Todo profissional de TV sabe que ela não inventou a situação. Foi alguém que criou para ela. É como um piloto. Ele não pode desrespeitar o controlador de voo".

Waack observa que, diferentemente do que ocorreu com Miriam Leitão, não estava ao vivo no momento em que fez os comentários. "Era um momento típico, que todo profissional que trabalha em TV, conhece, falando besteiras e fazendo brincadeiras antes de entrar no ar".

Veja também
William Waack imita gesto de Miriam Leitão e diz: Não tenho chefe no ponto
Globo responde a Bolsonaro sobre golpe de 64
Após comentário racista, William Waack tem contrato rescindido pela Globo
Waack vê "covardia" da mídia diante de grupos de pressão nas redes sociais


Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.