Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

“Drogas lícitas” elevam classificação indicativa de “Orgulho e Paixão”

Mauricio Stycer

13/07/2018 21h46


Em sua cruzada contra representações de violência, sexo ou drogas, o governo alterou nesta quinta-feira (12) a classificação indicativa de "Orgulho e Paixão". Antes recomendada para maiores de 10 anos, agora a novela das 18h da Globo não deve ser vista por menores de 12. Desde abril, esta é a terceira novela da emissora que sofre o mesmo tipo de interferência.

Em março, o Ministério da Justiça determinou que "Deus Salve o Rei" alterasse a sua classificação indicativa. Em abril, a vítima foi a atual temporada de "Malhação". As duas haviam sido autoclassificadas pela Globo como recomendadas para maiores de 10 anos e tiveram que elevar a recomendação para 12 anos.

No despacho que muda a classificação indicativa de "Orgulho e Paixão", o diretor do departamento de Políticas de Justiça, Geraldo Luiz Nugoli Costa, afirma que "foram identificadas cenas incompatíveis com a faixa etária de dez anos, a saber, agressão verbal, apelo sexual, ato violento, consumo de drogas lícitas, insinuação sexual, lesão corporal, linguagem de conteúdo sexual e presença de sangue."

Cigarro e bebidas alcoólicas são considerados drogas lícitas. Pelos critérios do governo, podem ser descritos e mencionados em novelas recomendadas para maiores de 10 anos, mas cenas que mostrem o consumo não são aceitas nesta faixa.

Veja também
"Violência e sexo" elevam classificação indicativa de "Deus Salve o Rei"
Governo critica o texto de "Malhação" e eleva classificação indicativa

Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer
É jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.