Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Infantil “As Aventuras de Poliana” é vista, em sua maioria, por adultos

Mauricio Stycer

27/06/2018 05h01


Uma das maiores curiosidades do projeto de novelas infantis do SBT é que elas são consumidas, em sua maioria, por adultos. Os primeiros dados sobre o perfil do público de “As Aventuras de Poliana”, lançada em maio, comprovam que esta situação está ocorrendo novamente. Segundo o Ibope, 71% dos espectadores têm 18 anos ou mais.

Em sua maioria feminino (66%), o público divide-se da seguinte forma, em matéria de faixa etária:
4 a 11 anos – 17%
12 a 17 – 12%
18 a 24 – 8%
25 a 34 – 16%
35 a 49 – 22%
Mais de 50 – 25%

Somando as últimas três faixas, ou seja, os maiores de 25 anos, representam 63% do total de espectadores de “As Aventuras de Poliana”. Em 2016, o blog mostrou que 59% dos espectadores de “Cúmplices de um Resgate” e 61% de “A Garota da Moto” e de “Carrossel” estavam dentro desta faixa etária.

Os dados do PNT (Painel Nacional de Televisão), que reúnem a audiência de 15 grandes centros urbanos, apontam que a novela acumula média de 13 pontos (e 19% de participação no total de aparelhos ligados), em suas primeiras seis semanas. Esse resultado garantiu ao SBT, até agora, a vice-liderança no horário em todas as exibições do folhetim.

Outro dado animador para a emissora, do ponto de vista do potencial publicitário de “As Aventuras de Poliana”, é que 72% dos espectadores pertencem às classes ABC.

Veja também
Adultos são maioria do público da série jovem e das novelas infantis do SBT


Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.