Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Surpresa seria Neymar não chorar no Caldeirão do Huck; quadro é para isso

Mauricio Stycer

10/06/2018 07h01


Sábado e domingo são os dias em que a TV aberta brasileira capricha mais na arte de produzir lágrimas. O objetivo é fazer chorar, não importa se você está no palco ou em casa, assistindo. A ideia é que lágrima puxa lágrima, que puxa audiência.

A Record é campeã neste quesito, com o "Domingo Show", de Geraldo Luis, "Hora do Faro" e "Programa da Sabrina". No SBT, a tarefa de fazer chorar costuma ficar a cargo de Eliana, mas Portiolli (com "Construindo um Sonho") também aposta no filão.

Na Globo, na ausência do "The Voice Kids", o "Tamanho Família" assumiu o posto de principal fabricante de lágrimas. O "Caldeirão do Huck" não fica muito atrás com seus inúmeros quadros assistencialistas e com o "Visitando o Passado", no qual celebridades experimentam a sensação de verem, recriados, espaços que ocuparam na infância.

Neymar foi a vítima, digo, o escolhido deste sábado (09). A poucos dias do início da Copa do Mundo, o principal jogador do Brasil teve a oportunidade de ver, recriada pela equipe da Globo, a pequena casa em que viveu por alguns anos quando era criança.

O camisa 10 da seleção chorou, é claro. Seria surpreendente se não chorasse, já que tudo é feito com este objetivo.

Veja também
Neymar chora e ganha beijo de Marquezine no "Caldeirão do Huck"
Ranking do chororô: programas disputam lágrimas do público no fim de semana
"Tamanho Família" força tanto a barra na emoção que até quem não quer chora


Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Es portivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Newsletters

Mauricio Stycer traz análises exclusivas sobre TV e Famosos.

Quero receber