Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Detetive Vê TV: Luzia não pode ver sangue, mas na primeira fase podia

Mauricio Stycer

03/06/2018 10h23


João Emanuel Carneiro lançou no capítulo deste sábado (02) de "Segundo Sol" a primeira isca para Luzia (Giovanna Antonelli) e Valentim (Danilo Mesquita) perceberem que têm algo forte em comum – são mãe e filho, mas não sabem disso. No camarim da DJ, depois de levar uma surra, o rapaz contou que não consegue ver sangue. "Dor aguento, só não posso ver sangue. Fico nervoso. Frescura, né?", disse.

Luzia, então, respondeu: "Isso é mais comum do que você imagina. Eu também tenho isso. Hematofobia que chama", ensinou. "Eu não posso ver. Fico suando toda. Eu quase desmaio, me tremo… Eu tremo mais que um tambor de olodum. Sim… Juro que é verdade. Aguente firme daí que eu tô aguentando firme daqui".

Insensível ao problema de Luzia, Valentim quis saber: "Mas tá sangrando muito". Ao que a DJ, virando a cara, respondeu: "Ai, menino! Não quero olhar! Você acha que vou olhar uma coisa dessa? Vira pra lá! Respire fundo que vai passar. Segure daí que eu seguro daqui, que é o que eu tô fazendo pra não desmaiar."

A cena, bonita, mostrou a sintonia entre os dois. Segundo alguns pesquisadores, a hematofobia pode estar associada a uma predisposição genética.

O único problema, como lembrou o leitor Mr. Novela, é que Luzia não sofria de hematofobia na primeira fase da novela. Edilei (Paulo Borges), seu marido, havia voltado da cadeia e passou mal diante dela. Tossindo muito, cuspiu sangue. Olhando para o pano encharcado de sangue, sem manifestar qualquer repulsa (imagem acima), ela perguntou: "Isso é o quê? Tá cuspindo sangue?"

Alguns espectadores argumentam que Luzia pode ter adquirido a fobia depois que matou, acidentalmente, o marido do alto de um penhasco – a câmera mostrou uma poça de sangue junto ao corpo. Mas isso é algo que a novela ainda precisará explicar para eliminar a dúvida deixada pela cena deste sábado.

Esse tipo de erro, ou contradição, não afeta em nada a experiência de quem está assistindo e gostando da novela. Nem é a minha intenção que isso ocorra. Mas há espectadores que notam essas coisas. E há outros que acham interessante ou divertido serem informados de detalhes como esse. É para isso que criei a seção Detetive Vê TV do blog.

Veja também
Detetive Vê TV: Homem é esquecido no fundo de um barco em Segundo Sol
"Fantasma", cenário repetido e volta no tempo: 5 tropeços de "Segundo Sol"
Furos em "Segundo Sol" incomodam o espectador, e ele tem razão de reclamar


Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Es portivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Newsletters

Mauricio Stycer traz análises exclusivas sobre TV e Famosos.

Quero receber