Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Haja imaginação na Globo! Três novelas, três acidentes, três cegos

Mauricio Stycer

08/03/2018 18h50


Entre as atrações de “Deus Salve o Rei” nesta quinta-feira (08), a Globo anuncia uma cena dramática envolvendo Saulo (João Vithor Oliveira). O guerreiro de Montemor será ferido por um soldado de Artena em meio a guerra que envolve os dois reinos. Vai cair e bater com a cabeça. Quando a mocinha Selena (Marina Moschen) chegar para socorrê-lo, eles descobrem que o jovem perdeu a visão.

A cena lembra muito a que causou a cegueira em Inácio (Bruno Cabrerizo) no início de “Tempo de Amar”. O mocinho da novela das 18h foi atacado por assaltantes, caiu e bateu com a cabeça, perdendo a visão. Encontrado por Lucinda (Andreia Horta), foi enganado e acabou se desencontrando com Maria Vitória (Vitória Strada), o grande amor de sua vida. Após tratamento com um oftalmologista, Inácio recuperou a visão.

Não bastasse a semelhança entre as duas cenas, em “O Outro Lado do Paraíso” está prevista a ocorrência, ainda em março, de mais uma situação de cegueira. Ela vai acometer o português Amaro (Pedro Carvalho), depois de um acidente na mina de esmeraldas. Segundo spoilers já divulgados, Estela (Juliana Caldas) acabará se reaproximando de Amaro, para cuidar dele. “Serei seus olhos”, ela dirá.

Não é incrível? Isso porque a Globo conta com um diretor de dramaturgia, Silvio de Abreu, responsável por supervisionar todas as novelas da emissora.

Agradeço ao colega Gabriel Vaquer por me chamar a atenção para a observação de João Paulo, no Twitter.

Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.