Blog do Mauricio Stycer

Entre as novelas no ar, “Tempo de Amar” é a que dá mais prazer de assistir

Mauricio Stycer

24/01/2018 05h01


Nesta sexta-feira (26), no capítulo 105 de “Tempo de Amar”, vai começar o primeiro de uma série de acertos de conta esperados pelos fãs do folhetim de Alcides Nogueira. Maria Vitória (Vitória Strada) dará uma surra em Lucinda (Andreia Horta) após descobrir que a vilã se casou com Inácio (Bruno Cabrerizo) e fez de tudo para que ela acreditasse que ele estava morto.

Em fevereiro, segundo informa o site Notícias da TV, outros dois encontros muito esperados acontecerão. Primeiro, Inácio e Maria Vitória vão se rever, em Portugal, após 110 capítulos de desencontros. E, depois, Vicente (Bruno Ferrari) e Inácio ficarão frente a frente e discutirão sobre o amor em comum pela mocinha da novela.

Já não era sem tempo, diga-se. O público de “Tempo de Amar” acompanhou de perto uma sucessão de dramas de grande intensidade e já merecia, faz tempo, algum refresco. Tudo deu errado para Maria Vitória e Inácio em mais de quatro meses de novela. Até brinquei que o folhetim deveria se chamar “Tempo de Sofrer”.

Mas reconheço que a trama de Alcides Nogueira é muito bem escrita e armada – e tem se desenvolvido com muita competência, em um trilho claramente bem planejado. É um folhetim clássico, um novelo que vem se desenrolando lentamente, com um pé nas novelas de rádio, como observou o crítico Nilson Xavier, e sem a preocupação de querer agradar o público com facilidades.

O autor ofereceu, aos poucos, algumas boas histórias além da principal. Destaco, em especial, toda a trama em torno do bom vivant Bernardo (Nelson Freitas) e da arrivista Alzira (Débora Evelyn), a mais bem-sucedida na sua combinação de drama e comédia em boas doses. Ela envolve ainda a história de Pepito (Maicon Rodrigues), filho bastardo do dono da casa com a empregada Balbina (Walkiria Ribeiro). E, ainda, Celina (Barbara França), a filha patricinha (de época) que amadurece e se torna uma mulher com personalidade.

Outro grande prazer na novela é acompanhar o desempenho de alguns atores. Em outro texto, me dedicarei mais ao assunto, mas gostaria destacar já Letícia Sabatella, impressionante como a vilã Delfina, e Mariza Orth, incrível como Celeste Hermínia.

Lamento que Alcides Nogueira tenha sido tão tímido no desenvolvimento do contexto em que se passa a história. O ano de 1929 é repleto de acontecimentos importantes no Brasil e a novela o tempo todo parece se lembrar disso, mas não se atreve a ir mais fundo. O tema do feminismo é eventualmente abordado, assim como a crise econômica que levará à ruína os barões do café e a crise política que vai desembocar na Revolução de 1930.

“Tempo de Amar” deve terminar no final de março. Ainda há dois meses de histórias pela frente. Confesso que a novela das 18h da Globo me enredou e hoje é a que me dá mais prazer de assistir.

Veja também
“Entendeste”? Por que o português em “Tempo de Amar” é tão culto
Nilson Xavier: “Tempo de Amar” lembra as antigas radionovelas
Exagerando no drama, “Tempo de Amar” deveria se chamar “Tempo de Sofrer”

Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo