Blog do Mauricio Stycer

Fãs de Renato Aragão mereciam uma biografia mais complexa sobre o artista

Mauricio Stycer

13/01/2018 12h32


O genial criador de Didi Mocó Sonrisépio Colesterol Novalgino Mufumbo completa 83 anos neste sábado, 13 de janeiro, ainda ativo e bem disposto, como mostrou no especial “Os Trapalhões”, exibido pelos canais Viva e Globo no segundo semestre de 2017.

Mesmo resistente à ideia de aposentadoria, Renato Aragão está tendo a oportunidade de colher o reconhecimento pelo muito que fez em mais de 50 anos de carreira na TV e no cinema. No último mês do ano passado, ele ganhou duas homenagens de peso – a Ordem do Mérito Cultural, dada pelo presidente Michel Temer, e a biografia “Renato Aragão – Do Ceará para o coração do Brasil”, de Rodrigo Fonseca (Estação Brasil, 304 págs., R$ 49,90).

No Palácio do Planalto, ele driblou o eventual constrangimento de ser condecorado por um presidente tão impopular quanto Temer com uma tirada diplomática: “Eu estou aqui a convite pela cultura, pode ser qualquer presidente”, disse.

Mais difícil é explicar a opção por um livro de memórias tão sem sal. Renato teria tomado a iniciativa de fazer o livro para se antecipar à publicação de algum relato não-autorizado. “Prefiro fazer a minha biografia antes que alguém faça”, disse ele, segundo o relato do dono da editora Sextante, Marcos da Veiga Pereira.

O resultado é um conjunto de histórias e causos, encadeados sem maior apuração nem contextualização. Renato é enaltecido como um super-homem, com dezenas de talentos e nenhum defeito, dono de uma carreira em linha reta, sem tropeços, cercado apenas por amigos, sem desafetos. É atleta, cinéfilo, apreciador de alta literatura e conhecedor de história, compositor musical, entre outros atributos.

Não questiono a opção de evitar entrar em minúcias sobre a vida pessoal. Mas lamento muito a falta de disposição para mergulhar a fundo na carreira de Renato Aragão, construída em um período dos mais férteis e menos documentados da história da TV. Mesmo o maior fã de Renato e dos Trapalhões vai chegar ao final da leitura deste livro desconfiado de que partes importantes da trajetória profissional do artista foram varridas para debaixo do tapete.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo