Blog do Mauricio Stycer

“Quem planta humor, colhe amor”, diz Bial em entrevista-homenagem a Jô

Mauricio Stycer

25/11/2017 01h57


Longe da TV desde 16 de dezembro do ano passado, quando apresentou pela última vez o seu talk show, Jô Soares foi o convidado desta noite (24) do “Conversa com Bial”, justamente o programa que substituiu o seu. O pretexto para a entrevista foi o lançamento de sua biografia, mas a volta ao vídeo teve vários outros significados.

Bial e Jô trocaram muitos elogios, ambos se emocionaram em diferentes momentos e conversaram animadamente, como bons amigos. “Quanto mais ele nos dá, mais ele tem pra dar”, anunciou Bial, no início. Recebido de pé pela plateia, o convidado mal se ajeitou no sofá, observou: “Gostoso esse lugar”. Ao final, o apresentador disse: “Quem planta humor, colher amor. A gente te ama, Jô.”

“O Livro De Jô – Uma Autobiografia Desautorizada – Vol. 1”, escrita com Matinas Suzuki Jr. (Companhia das Letras), foi o tema principal da entrevista. Generoso, Bial levantou a bola para Jô contar inúmeras histórias narradas no livro, que abrange os seus primeiros 30 anos de vida.

Falou muito da mãe, conhecida como Mêcha, “uma mulher muito avançada”, e também se comoveu ao falar do pai, um empresário bem-sucedido, que quebrou e deixou a família em dificuldades.

Jô contou que, durante a ditadura, nos anos 1960, teve sua casa pichada pelo Comando de Caça aos Comunistas. Também foi preso uma vez e levado ao Dops. E escondeu em sua casa, por alguns meses, o físico Mario Schenberg, ligado ao PCB. Uma filha de Schenberg estava na plateia e emocionou Jô ao ler uma carta em que o pai relatou esta experiência.

Um momento especial ocorreu ao falar do filho, Rafael (1963-2014), que era autista. Jô se exaltou ao refutar a acusação de que o “escondia”. “Jamais escondi meu filho!”. Descreveu a sua relação com o filho e a forma corajosa como enfrentou um câncer.

Bial não fez nenhuma pergunta mais difícil a Jô e deixou o convidado falar à vontade, raramente o interrompendo. Foi, de fato, uma “entrevista-homenagem”, um tributo – merecido – ao ex-apresentador.

Veja também
Polêmicas, dramas, raridades… Relembre algumas das entrevistas inesquecíveis de Jô
Último “Programa do Jô” tem agradecimento a Silvio Santos e ironia com Boni
Jô Soares: “Não sou eu que está deixando a TV; é a TV que está me deixando”
Biografia de Jô narra três décadas de muitas vidas e arranca risadas


Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo