Blog do Mauricio Stycer

Não postei antes por medo de ser demitido, diz editor do vídeo com Waack

Mauricio Stycer

09/11/2017 20h01

Diego Rocha Pereira, que afirma ter gravado o vídeo que levou ao afastamento de William Waack, considera que não fez nada de errado e não teme nenhum tipo de reação ao seu gesto. “Não tô receoso. Quem cometeu o crime foi ele. Uma ofensa racial gratuita. Imagina se alguém te faz uma ofensa dessas no trabalho?”, pergunta.

Pereira trabalhou na Globo, em São Paulo, entre 2012 e 2017. Conta que deixou a empresa em janeiro, num corte de pessoal. A gravação foi feita em 8 de novembro de 2016. Pergunto a ele por que não divulgou o vídeo assim que o gravou. “Ia postar no You Tube, mas fiquei com medo de ser demitido e não postei. Depois perdi o vídeo e só o recuperei há alguns meses”, conta.

A autoria do vídeo foi revelada no meio da tarde desta quinta-feira (09) pelo site da Jovem Pan. Pereira foi ajudado na divulgação do material pelo designer gráfico Robson Cordeiro Ramos.

Insisto em uma questão. “Você não violou uma regra do seu trabalho?” E Pereira responde: “Se eu cometi um crime? Ele cometeu um crime antes de mim. Não teria feito isso se não tivesse me ofendido.”

Pergunto se tinha algum problema com Waack. “Não o conhecia pessoalmente. Nunca me fez nada. Mas o pensamento dele não é cabível. Fiz o que era necessário”, diz.

O operador de VT diz que havia várias pessoas na sala, em São Paulo, quando Waack fez os comentários de cunho racista. “E ninguém falou nada”, diz. Questionado sobre quem estava na hora, não quis citar os nomes.

Ele afirma trabalhar atualmente como free-lancer na área de edição. “Já me falaram que não vou mais conseguir trabalho. Se isso acontecer, mudo de setor”, diz.

A Globo confirma que Pereira é ex-funcionário da emissora.

Veja também
Afastado, William Waack pede desculpas a quem se sentiu “ultrajado”
Inevitável, afastamento de Waack é coerente com a política atual da Globo
Queríamos discutir o racismo, afirmam responsáveis por vazamento de vídeo de Waack


Veja o vídeo que causou o afastamento de Waack:


Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo