Blog do Mauricio Stycer

No episódio 100, em Brasília, “Zorra” ri de Temer, dos paneleiros e de Lula

Mauricio Stycer

05/11/2017 00h29


Lançado em maio de 2015, o “Zorra” comemorou o seu centésimo episódio neste sábado (04) com a exibição, pela primeira vez, de esquetes gravados em Brasília, diante do Congresso Nacional. O investimento sinaliza a aprovação da Globo à nova linha do humorístico, que substituiu o popular “Zorra Total”.

Numa paródia de “Morena de Angola”, de Chico Buarque, celebrizada por Clara Nunes (1942-1983), Dani Calabresa perguntou: “Cadê a galera que andava animada batendo na panela? Por que ninguém mais batucou se tem tanto ladrão fora da cela?”. E, debochando, observou: “Eu faço protesto maneiro mandando textão na internet. Pra cada curtida que eu ganho, mais uma mutreta se repete”.

Já o presidente Temer, na imitação de Fernando Caruso, fez menção ao centésimo episodio do “Zorra” e manifestou seu repúdio “a essa caricatura acéfala e completamente desprovida de gracejos que esse suposto ator faz da minha pessoa”. Entrou em cena, então, um segundo Temer/Caruso, que também reclamou do programa (“é uma porcaria”) e da “péssima imitação”. Foi a deixa para um presidente expulsar o outro aos gritos de “fora Temer!”.

Três deputados procurados pela Polícia Federal apareceram jogando golfe e fazendo um churrasco na Praça dos Três Poderes. Diante da assessora de um deles, informando que o cerco estava se fechando, os parlamentares lembraram: “Quem é que ia ter a ideia de procurar um deputado em Brasília? Ainda mais numa sexta-feira?”

Ao final do episódio, Lula (Augusto Madeira) tentou pagar a conta de um almoço com um amigo usando um cartão de crédito novo, mas não se lembrou da senha. Numa referência aos recibos de aluguel que o ex-presidente entregou à Justiça com datas inexistentes, o personagem insistiu que a senha era 31 de junho. O cartão foi bloqueado.

“A política é um assunto que se impôs a nós, e que é tão recorrente que você não consegue imaginar um programa que aborda a atualidade sem ele”, afirma Celso Taddei, que assina a redação final do humorístico ao lado de Marcius Melhem e Gabriela Amaral.

Longa vida ao “Zorra”!

UOL VêTV: Do humor popularesco ao Emmy, veja a trajetória do Zorra

Veja também
“Zorra” volta com ótima reflexão sobre o papel do humor em tempos de crise
Ampliando os seus alvos, “Zorra” ri de João Doria, o “prefeito disfarçado

Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo