Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Gritos de “gostoso” para Faro e selfies no caixão chocam no adeus a Rezende

Mauricio Stycer

18/09/2017 12h47


Realizado no domingo (17), em plena Assembléia Legislativa de São Paulo, o velório de Marcelo Rezende (1951-2017) atraiu um grande número de fãs. E, como já ocorreu em cerimônias semelhantes que envolviam celebridades, causou espanto a disputa por fotos com figuras públicas que compareceram à cerimônia fúnebre.

Os vídeos disponíveis mostram momentos de histeria de fãs diante da chegada de personalidades que trabalharam com Rezende, como Percival de Souza. O jornalista se assustou ao ser literalmente agarrado ao passar pelo “tapete vermelho” que dava acesso à Assembléia. No caso de Rodrigo Faro, o constrangimento foi ainda maior – o apresentador da Record foi recebido aos gritos de “gostoso”. Já Luiz Bacci ganhou um coro, ritmado, de “lindo, bonito e gostosão”.

Ao ser aberto para o público, o velório também chamou a atenção pelo número de pessoas que, diante do caixão, procuraram fazer fotos com o objetivo de registrar a própria presença no local. Muita gente também fez transmissões “ao vivo'' para as redes sociais no momento.

Não duvido do carinho e da tristeza dos fãs de Rezende, mas é estranho, evidentemente, este tipo de comportamento em um velório. Há algo de muito macabro em selfies com o corpo do apresentador ao fundo.

O que ocorreu neste domingo está longe de ser novidade. No final de 2016, a atriz Maisa Silva usou seu Twitter para reclamar de fãs que pediram para tirar fotos com ela durante o velório de sua bisavó. “A todos que pediram fotos durante o velório… espero que entendam o meu ‘não’ como resposta, acho desrespeitoso tirar fotos de luto”.

Mesmo em momentos de lazer, esta preocupação excessiva em registrar os acontecimentos com o celular causa estranheza. Numa entrevista a Luciana Gimenez, exibida em março do ano passado, Mick Jagger observou: “Em São Paulo, parece que o público assiste pelo telefone. É a cidade do telefone. Parece um mar de telefones”, disse.

Esse relato contou com informações da repórter Gisele Alquas, que trabalhou na cobertura do velório. O crédito da foto no alto é: Edson Lopes Jr./UOL

Veja também
Velório de Marcelo Rezende tem brinde de familiares e emoção dos fãs
Morre o jornalista Marcelo Rezende aos 65 anos após luta contra o câncer
“Corta pra mim!'': Os bordões mais famosos de Marcelo Rezende
Marcelo Rezende: O repórter investigativo foi maior do que o polêmico apresentador

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.