Blog do Mauricio Stycer

Tributo de Bial a Suassuna chama atenção por ausência de ex-diretor da Globo

Mauricio Stycer

19/06/2017 05h01


Dramaturgo, romancista, ensaísta, poeta e professor, Ariano Suassuna (1927-2015) deixou obras e reflexões fundamentais para a cultura brasileira. Os 90 anos que completaria em 16 de junho estão servindo de pretexto para diversas homenagens, entre as quais a publicação de um livro inédito do autor, “Romance de Dom Pantero no Palco dos Pecadores”, e a encenação de uma peça de Bráulio Tavares, dedicada ao seu universo, “Suassuna — O Auto do Reino do Sol”.

Na última sexta-feira (16), Suassuna foi o tema de “Conversa com Bial”, na Globo. Os três convidados da noite foram apresentados como amigos do autor: Guel Arraes, diretor do filme “O Auto da Compadecida” (2000), Luiz Carlos Vasconcelos, diretor da peça de Tavares, em cartaz no Rio, e Gerson Camarotti, repórter da Globo News.

Foi uma conversa agradável, entremeada por cenas do filme de Arraes, trechos de uma entrevista que Bial fez com Suassuna e lembranças de Camarotti, que conheceu o escritor quando ainda era estudante.

O que mais chamou a atenção, no entanto, foi a forma como duas figuras fundamentais na divulgação da obra de Suassuna foram minimizadas pelo programa. O músico Antônio Nóbrega, ex-integrante do Quinteto Armorial, foi lembrado brevemente por Camarotti e visto em um vídeo que aparece cantando ao lado do autor.

A outra ausência, talvez ainda mais gritante, foi de Luiz Fernando Carvalho, diretor da Globo por três décadas. Carvalho adaptou três obras de Suassuna para a televisão, “Uma Mulher Vestida de Sol” (1994), “A Farsa da Boa Preguiça” (1995) e “A Pedra do Reino” (2007).

O diretor, que se desligou da emissora no início de 2017, não foi citado por Bial ou pelos demais convidados em momento algum do programa. O seu nome apareceu apenas nos créditos de uma cena de “Folia Geral”, programa que dirigiu para a Globo Nordeste em 1994.

Em um programa que tem mostrado tanto cuidado com a pauta e seleção de assuntos, como “Conversa com Bial”, saltou aos olhos a ausência de qualquer imagem destes três trabalhos de Carvalho, baseados na obra de Suassuna, exibidos na própria Globo. Pareceu intencional.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo