PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Ministério da Justiça instaura processo contra operadoras de TV paga

Mauricio Stycer

08/06/2017 21h15


O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), vinculado à Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça, instaurou processos administrativos contra as principais operadoras de TV paga do país. A razão é a suspensão dos sinais de Record, SBT e RedeTV! dos pacotes de clientes que contavam com estes canais. As ações atingem Sky, Oi e Claro-Net.

Embora os processos tenham sido abertos no último dia 5, eles só foram divulgados pelo Ministério da Justiça nesta quinta-feira (08). As ações, diz a nota oficial, visam apurar possíveis ofensas aos direitos dos consumidores, uma vez que os canais das empresas que formam a Simba foram tirados dos pacotes "sem o correspondente abatimento proporcional nos preços das assinaturas".

Segundo o site Teletime (veja aqui), uma das provocações à Senacon para que instaurasse a ação veio do Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (Inadec), criado pelo deputado federal Celso Russomano (PRB-SP), que também é apresentador da "Patrulha do Consumidor" na Record. O secretário responsável pela Senacon, Arthur Rollo, foi advogado da campanha de Russomano para prefeito de São Paulo em 2016.

O comportamento das operadoras pode ferir diferentes artigos do Código de Defesa do Consumidor, diz a nota do Ministério da Justiça. Dentre as penas, caso sejam constatadas infrações, há multa de até R$ 9 milhões, "a depender da gravidade das supostas lesões aos direitos dos consumidores".

A informação de que o Ministério da Justiça instaurou estes processos administrativos ocorre no mesmo dia em que o site Teletime informou que representantes da Simba se reuniram, no final de maio, com o ministro Wellington Moreira Franco, da Secretaria Geral da Presidência.

As emissoras sinalizaram "com apoio ao governo, tanto no tom editorial quanto nas bases políticas no Congresso", informou o jornalista Samuel Possebon. Segundo o relato, Record, SBT e RedeTV! teriam oferecido 80 votos na Câmara. Em resposta, Moreira Franco teria procurado a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) para pressionar o órgão em favor da tese das emissoras.

A Simba diz que esta "informação é absurda e totalmente improcedente".

"A estratégia seria impor às operadoras de TV por assinatura um desconto a ser concedido aos assinantes pelo fim do carregamento dos sinais abertos" – justamente o mesmo ponto levantado nos processos administrativos abertos pelo Ministério da Justiça.

Veja também
Simba ofereceu apoio ao governo em troca de pressão sobre Anatel, diz site
Justiça determina que Net dê desconto de R$ 7,50 por corte de canais da Simba

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.