Topo

Cena com Luan Santana em Rock Story lembra como é bom ver novela sem spoiler

Mauricio Stycer

06/06/2017 05h01


Elemento essencial na indústria de novelas, o spoiler cumpre duas funções muito claras. Primeiro, ajuda na divulgação e promoção das tramas, o que é de interesse das emissoras. E, segundo, atende a um gosto do público, que aprecia ser informado previamente do que verá em cada capítulo.

Mas há muita gente envolvida no mundo das novelas que não gosta desta prática, a começar pelos autores. É frustrante, para muitos, ver histórias criadas para surpreender o público serem divulgadas dias antes de ir ao ar.

A mais recente reclamação sobre spoiler que ouvi foi de Maria Helena Nascimento, autora de "Rock Story". Em entrevista ao UOL, ela disse:

"Não entendo por que hoje em dia tem essa cultura do spoiler pra tudo e não tem pra novela. Isso me incomoda. Seria muito melhor não ter. É uma chatice. A gente tem o maior trabalho para bolar o negócio…"

Quase tudo sobre o último capítulo da novela das 19h30 da Globo, exibido nesta segunda-feira (05), foi antecipado em notas divulgadas por inúmeros sites. Ainda assim houve espaço para uma surpresa das boas – uma participação especial de Luan Santana.

É verdade que a colunista Adriana Barros, do UOL, teve a informação de que Luan participaria do último capítulo e publicou uma nota a respeito na tarde de segunda-feira. Mas sem maiores detalhes da cena.

Em uma novela musical, seria de se esperar um número de Luan num show. O que se viu, no entanto, foi totalmente inesperado. O cantor ganhou um papel, o de um presidiário, chamado de Mutante, que mostra o seu talento para um colega de confinamento, o empresário Lázaro (João Vicente de Castro). "O senhor pediu pra eu ensaiar… eu andei ensaiando. Queria mostrar pro senhor". E começa a cantar "Cê Topa?", aquela que diz: "Eu, você, dois filhos e um cachorro"

Lázaro se empolga: "Mutante, é genial". "Gostou, seu Lázaro?", pergunta o preso. "Gostei, não! Adorei! Você tem uma voz forte, uma presença. Conhece Leo Regis?", pergunta. "Conheço. Sou muito fã dele", responde. "A gente vai sair daqui, Mutante, e a gente vai ganhar o mundo, juntos! Confia em mim?" "Confio. Sempre".

A cena durou apenas 66 segundos, mas foi muito divertida. E lembrou como é bom assistir novela sem saber o que vai acontecer.

"Paula e Bebeto"

Apenas mais um comentário sobre o último capítulo. Dennis Carvalho tem o hábito de reunir todo o elenco para se despedir do público na cena final das novelas que dirige. Em "Rock Story", este encontro contou com a participação especial de Milton Nascimento.

Em uma cena emocionante, o cantor foi acompanhado, primeiro, por Vladimir Brichta, depois pelos atores que interpretaram papéis de músicos e, por fim, pelo resto do elenco em uma versão do clássico "Paula e Bebeto", aquela que diz: "Qualquer maneira de amor vale amar / Qualquer maneira de amor vale a pena / Qualquer maneira de amor valerá".

Recorrer a este tema em prol da tolerância foi um grande fecho para uma novela que questionou racismo, homofobia e machismo naturalmente, sem didatismo ou fazer pregação.

Veja também
Rock Story inova e não terá sequestro da mocinha na reta final
Autora revê os muitos acertos e o "golpe baixo" que cometeu em "Rock Story"
Nilson Xavier: "Rock Story" teria sido "redondinha" se tivesse menos capítulos

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Mauricio Stycer