PUBLICIDADE
Topo

“Power Couple” está melhor e mais melodramático do que novela mexicana

Mauricio Stycer

26/05/2017 04h01


Ao saber que Diego Cristo se machucou durante uma prova no "Power Couple" e foi parar no hospital, Rafael Ilha chora. Olhando para a câmera, emocionado, diz: "Traz esse moleque doido de volta para nós". No instante seguinte, no Twitter, a parceira de Diego, Lorena Bueri, escreve: "O melhor: a falsidade do ANÃO Polegar".

Melhor personagem que alguém poderia desejar para uma novela mexicana, Rafael Ilha fala sozinho: "Não sou fã de ninguém aqui. Não tenho fã-clube". A pessoa que ele mais odeia é Ana Paula, mulher de Sylvinho Blau-Blau: "Jibóia do inferno", esbraveja o ex-Polegar.

Ana Paula e Sylvinho também parecem personagens de uma trama da Televisa. Ela pede para ele se comportar e ele reclama: "Se eu ficar pisando em ovos vou enlouquecer aqui". Ao que ela responde: "Odeio quando você faz a vítima efeminada".

Roupa bem justa, cabelo arrumado, pinta de galã de novela, Roberto Justus segue fazendo discurso motivacional de chefe de torcida, o que não interessa a ninguém – nem aos participantes, nem ao público.

Mais bem produzida e muito mais engraçada do que a primeira temporada, a atual edição do "Power Couple" tem oferecido grandes momentos de diversão. O elenco, dedicado, tem se esforçado ao máximo em criar intrigas e falar bobagens. Como esta, de Rafael Ilha: "Eu tenho as minhas indiferenças com a Lorena".

Se a Record emendasse esta edição do "Power Couple" com a próxima da "Fazenda", com estes mesmos participantes, duvido que alguém iria reclamar.

Veja também
"Power Couple" é um parque de diversões para adultos sem medo do ridículo

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.