PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Dois detalhes sobre o nhoque de abóbora que “quebrou” a internet

Mauricio Stycer

15/05/2017 18h45


A internet "quebrou" nesta segunda-feira (15) por causa de um nhoque de abóbora. O prato, preparado por Ana Maria Braga, foi recusado por Taís Araujo durante o "Mais Você". A cena, bem como as caras da atriz e da apresentadora, fizeram a alegria das redes sociais.

Dois detalhes passaram despercebidos. Primeiro, o público ficou sem saber que Taís havia avisado Ana Maria no intervalo que não comia abóbora de jeito nenhum. A apresentadora manifestou surpresa no ar, mas já tinha conhecimento desta rejeição quando disse, em meio a uma conversa sobre os hábitos alimentares da atriz: "Inclusive, ela vai adorar comer este nhoque de abóbora". "Eu não vou adorar", respondeu.

Outra passagem mal explicada foi um trecho do diálogo. Ana Maria disse: "Eu faço um negócio desses aqui, convido essa moça que eu amo tanto e chega aqui o santo dela não come abóbora". Ao que Taís respondeu: "Nem o santo nem eu."

A conversa levou muita gente a acreditar que Taís é filha de Iansã. Eles não comem abóbora por gratidão, por acreditar na lenda que Iansã, ao ser perseguida, se salvou ao se esconder em uma plantação de abóbora.

Na verdade, Taís conta que é filha de Oxum Opará, que não tem nenhuma restrição com abóboras. "Eu não gosto mesmo, e não tem nada a ver com religião".

A atriz esclarece: "Não sou seguidora, mas respeito muito. Tenho imagens de todos os orixás na minha casa, mas não tenho nenhuma religião. Vou na igreja católica, evangélica… Sou eu comigo".

A repulsa a abóbora é tão grande que, por muito tempo, o alimento não entrou na casa da atriz, que é casada com o também ator Lázaro Ramos. "Meus filhos nem sabiam o que é abóbora. Não podia fazer isso com eles. Agora, eles comem", conta, rindo.

Veja também
Climão? Taís Araújo teve a melhor reação após desfeita com Ana Maria Braga

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.