Blog do Mauricio Stycer

Como Letícia Colin e sua Leopoldina roubaram a cena em “Novo Mundo”

Mauricio Stycer

11/04/2017 04h01


Encerrada a primeira fase, passada em 1817, é possível dizer que “Novo Mundo” não se desenvolveu exatamente como planejaram os autores – e isto não está sendo um problema. Ao contrário.

A novela de Thereza Falcão e Alessandro Marson, ambos estreantes, tinha a intenção de usar o contexto histórico da independência do Brasil como pano de fundo para um enredo típico de novela das 18h – o romance açucarado, mas cheio de percalços, entre a professora de português Anna Milmann (Isabelle Drummond) e o ator Joaquim Martinho (Chay Suede).

O problema é que estes dois tipos ficcionais, Anna e Joaquim, são muito menores que o casal de personagens históricos gravitando em torno deles. Um é bem conhecido. Trata-se do jovem Pedro (Caio Castro), príncipe regente que vai gritar “independência ou morte” em algum momento da trama. A outra tem menos fama. É a jovem princesa Leopoldina (Letícia Colin), que vem ao Brasil com a missão de casar com Pedro.

Nestes primeiros 15 capítulos, Falcão e Marson foram generosos ao desenhar a personagem. Leopoldina é bonita, culta, refinada e, não bastasse, se apaixona pelo marido cujo casamento foi arranjado pelos pais. Assim, ela se dedica a cuidar da saúde de Pedro (é epiléptico) e do espírito, orientando-o em matéria de ideias liberais.

É uma personagem fascinante que, sabemos, vai sofrer horrores à medida em que Pedro perder o encanto por ela e deixar de ter pruridos de humilhá-la em público, expondo o seu romance com Domitila (Agatha Moreira), a futura marquesa de Santos.

Não bastasse o espaço que Leopoldina está ocupando em “Novo Mundo” – e espero que cresça ainda mais –, Letícia Colin está roubando a cena. Muito preparada, com um sotaque bem construído e um sorriso luminoso, a atriz é o maior destaque, até agora, no elenco da novela.

Para usar um jargão futebolístico, Letícia “está sobrando em campo” ao contracenar com Caio Castro e Leo Jaime (Dom João). O duelo é mais equilibrado nas cenas com Isabelle Drummond, Débora Olivieri (Carlota Joaquina) e Gabriel Braga Nunes (Thomas Johnson).

Cabe registrar, ainda, sobre esta primeira fase de “Novo Mundo” que os capítulos iniciais, no navio que transportou Leopoldina ao Rio de Janeiro, exibiram uma qualidade excepcional – padrão filme da Disney. Mérito do diretor Vinicius Coimbra e de sua equipe.

Resta esperar que a segunda fase de “Novo Mundo”, ambientada em 1821, com a volta de Dom João a Portugal e Dom Pedro assumindo o papel de regente, mantenha o padrão exibido pela novela até agora. Um bom divertimento mesclado com situações que fazem o espectador refletir um pouco sobre a formação do país.

Veja também
“Novo Mundo” surpreende pela cenas de ação dignas dos melhores filmes de piratas

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo