Blog do Mauricio Stycer

Vitória de menino de 9 anos confirma vocação do The Voice Kids para “fofura”

Mauricio Stycer

02/04/2017 14h43


A vitória do menino Thomas Machado, de apenas 9 anos, corrigiu uma falha da primeira edição, quando o vencedor foi o adolescente Wagner Barreto, de 15 anos. “The Voice Kids” não é exatamente um concurso de talentos musicais. Mais que a voz, a afinação e a interpretação, importa o jeito e a falta de jeito, o desembaraço e a timidez, o conflito entre treino e espontaneidade de cada criança.

É desta mistura meio desengonçada que resulta a graça do programa – e o que encanta o espectador. Não à toa, desde a primeira edição os apresentadores falam abertamente da “fofura” dos candidatos – e ela tem sido um critério importante de escolha tanto dos “técnicos” quanto do público.

A segunda edição não foi muito diferente da primeira. Em matéria de audiência, os números relativos a São Paulo mostram que o sucesso se manteve praticamente estável. De uma média de 15,98 pontos em 2016, o programa chegou à final de 2017 com média de 15,7.

A troca de apresentadores não afetou em nada este resultado excelente no Ibope, mas é preciso dizer que André Marques talvez funcione melhor que Tiago Leifert em uma atração que privilegia a emoção sobre a sobriedade.

O eterno Mocotó da “Malhação” chorou em todos os episódios – em alguns momentos, de forma descontrolada. Enquanto Leifert tentou manter a pose nos momentos em que o “fofurômetro” explodiu em 2016, Marques se entregou à emoção, como se fosse pai das crianças, em 2017.

No mundo da fantasia que é um programa como este, a acusação sofrida pelo jurado Victor de agressão contra a mulher caiu como uma bomba – e a Globo, pega de surpresa, agiu rápido e mal. O cantor sertanejo foi extirpado do “The Voice Kids”, como se a simples menção a seu nome ou a aparição de sua imagem pudessem “contaminar” a atração.

Continuo achando, como escrevi em 2016, que o “The Voice” para menores seria mais justo se dividisse a disputa em duas – uma para “kids” (de 9 a 12 anos) e outra para “teens” (de 13 a 15 anos).

Veja também
Com 52,48%, Thomas Machado vence a segunda edição do “The Voice Kids”
Menos espontâneo, “The Voice Kids” tortura público e cantores com jurados indecisos
Globo reedita The Voice Kids e some com Victor após acusação de agressão
“The Voice” seria mais justo se tivesse uma versão “kids” e outra “teen”

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo