Blog do Mauricio Stycer

Troféu Sinceridade: “Na Record tem um monte de coisa que não presta”

Mauricio Stycer

20/02/2017 01h58


Exibido toda madrugada pela Record, o “Fala que Eu Te Escuto” é um programa de aconselhamento religioso sobre problemas do cotidiano. Também é um veículo para a difusão de ideias, críticas e ataques da Igreja Universal (cujo fundador, Edir Macedo, é proprietário da emissora) aos seus adversários e supostos “inimigos”.

Com apresentação do bispo Marcio Carotti, o tema do programa deste último sábado (18) era “Fracassos e problemas financeiros”. Sem explicar a razão, a certa altura o apresentador leu uma mensagem que disse ter recebido pelas redes sociais com críticas à programação da Record.

Lida por Carotti, a mensagem dizia: “Às vezes fico tentando entender como vocês podem passar desgraça o dia inteiro na emissora, contaminando a todo momento com cargas negativas, revolta, desgostos, tristeza, e no final do dia passar um programa que tenta ajudar as pessoas? Alguém me explica isso?”

O bispo interrompeu a leitura para dizer: “Eu vou explicar pra você”. E continuou a ler: “Aprendi a educar a minha família a ligar a televisão apenas com programas bons de assistir, como ‘A Terra Prometida’, e alguns outros da Record. Porque se deixar a TV ligada o dia todo, dá a impressão que o mundo está uma desgraça, com tristezas, mortes, a todo momento. Revoltas… Sei lá, é a minha opinião”.

Carotti, então, disse: “Eu respeito a sua opinião. E você falou a verdade mesmo. Você não mentiu em nada aqui. Um monte de desgraça que passa na Record. É o dia inteiro passando desgraça. Agora, é só você não assistir. É só você não ver. E não é só na Record, não. Qualquer canal passa desgraça o dia inteiro. Desgraça dá audiência. E audiência é um outro assunto. Agora, o fato de passar um monte de desgraça na Record o dia inteiro não significa que a nossa intenção aqui de querer ajudar as pessoas não seja boa. Eu concordo com você. Você não deve mesmo ligar, não deve assistir.”

O bispo explicou que no momento não tem assistido nada porque está cumprindo um período de jejum de 21 dias, chamado “Jejum de Daniel”, que inclui manter a televisão desligada. Mas voltou à mensagem do leitor para acrescentar: “Não deixa a sua família assistir ao que não presta. E na Record tem um monte de coisa que não presta. Eu não assisto. E aconselho você a não assistir também não. Assiste o que é bom.”

A qualidade do vídeo não é boa, mas pode ser visto e ouvido aqui.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo