Blog do Mauricio Stycer

Desafio de “A Lei do Amor” é acabar com Ibope melhor que “A Regra do Jogo”

Mauricio Stycer

09/02/2017 04h03

leidoamorhelopedro2
A menos de dois meses do fim, “A Lei do Amor” será mais uma novela lembrada por sua trajetória atribulada. Com números baixos de audiência, os autores se viram pressionados a fazer muitas alterações na história, matar alguns personagens, mudar o perfil de outros e apelar em busca de alguns pontinhos a mais no Ibope.

Desde a estreia, em 3 de outubro, a novela de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari vem registrando números de audiência semelhantes aos de “A Regra do Jogo”, exibida entre 31 de agosto de 2015 e 11 de março de 2016.

No ranking do Ibope das novelas das 21h, em São Paulo, a trama de João Emanuel Carneiro é a segunda pior de todos os tempos, à frente apenas de “Babilônia”, de Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga, exibida em 2015 (veja a lista abaixo).

A atual trama das 21h se manteve, por muitas semanas, com média superior à de “A Regra do Jogo”, mas em dezembro e janeiro ficou atrás. Até o capítulo 102 (28/1), “A Lei do Amor” acumulava média de 25,9 pontos contra 26 de “A Regra do Jogo” com o mesmo número de capítulos.

Ao final da semana seguinte (capítulo 108, em 4/2), impulsionada por muitas reviravoltas, a atual trama das 21h chegou a uma média de 26,1 – um décimo a mais que a trama de João Emanuel registrava na mesma altura.

É preciso lembrar que “A Regra do Jogo” teve um crescimento surpreendente nos seus últimos dois meses, registrando mais de 40 pontos nos dois últimos capítulos e conseguindo terminar com uma média de 28,48 pontos. Este é o desafio atual de “A Lei do Amor”: mostrar força e crescer no Ibope na sua reta final, no esforço de superar o desempenho da história protagonizada por Romero Rômulo (Alexandre Nero).

Média final de audiência em São Paulo

Velho Chico: 28,97 pontos
A Regra do Jogo: 28,48
Babilônia: 25,45
Império: 32,71
Em Família: 29,63
Amor à Vida: 35,51
Salve Jorge: 33,96
Avenida Brasil: 38,9
Fina Estampa: 39,2

Veja também
É ruim, mas é bom: 4 motivos por que “A Lei do Amor” bateu recorde no Ibope
Nilson Xavier: “A Lei do Amor” tem uma trama central das mais fracas e inconsistentes

Agradeço ao pesquisador Fabio Dias pelos dados atualizados que citei neste texto.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo