Blog do Mauricio Stycer

Após promover o Carnaval, fui ‘expulso’ de Olinda, conta Francisco José

Mauricio Stycer

03/02/2017 04h02

Celebrando 40 anos de trabalho na Globo, o repórter Francisco José está lançando um livro no qual rememora as suas principais reportagens e faz algumas observações sobre o seu trabalho.

Baseado em Recife, Francisco José se projetou, inicialmente, como a cara do Nordeste no noticiário nacional da Globo. Fez reportagens marcantes sobre a seca e a miséria na região. Cobriu a Guerra das Malvinas, em 1982, e ficou famoso ao se tornar refém em um sequestro, em 1987.

Em sua longa trajetória, também houve espaço para reportagens mais leves ou amenas. Foi um dos primeiros a mostrar as belezas de Fernando de Noronha e, não menos importante, ajudou a promover o Carnaval de Olinda e Recife.

franciscojosecarnavalÉ sobre o seu envolvimento com as festas de rua de Olinda uma das passagens mais interessantes de “40 Anos no Ar – a jornada de um repórter pelos cinco continentes” (Globo Livros, 248 págs., R$ 32). Francisco José conta que, na década de 70, fazia entradas diárias de três minutos no “Jornal Nacional” durante os dias de Carnaval,

“A cada ano, aumentava o número de pessoas nas ruas e ladeiras de Olinda. Não havia mais espaço para os blocos passarem. Até que um morador chamou a minha atenção”, escreve o repórter.

— Chico, tu não estás percebendo que está acabando com o Carnaval de Olinda! Os clubes não conseguem mais desfilar. Os músicos que seguem os blocos não podem tocar. Cada ano aumenta a multidão. Além do mais, a cidade não tem estrutura para receber tanta gente. Todo mundo fazendo xixi pelas ladeiras. Cada vez que a televisão mostra o Carnaval daqui, no ano seguinte aumenta a multidão. Vai fazer reportagem de Carnaval em outro lugar.

Após reproduzir este comentário, Francisco José escreve: “Ele tinha razão. O desabafo foi uma lição. Desde que fui ‘expulso’ de Olinda, passei a centralizar minha participação na cobertura do Carnaval do Recife.”

franciscojosecapalivroAo longo do livro, o jornalista rememora também várias situações de risco em que se envolveu – tantos em reportagens policiais quanto em aventuras escalando vulcões ou mergulhando em mares mais ou menos profundos.

“A segurança da Globo tem um lema: nenhuma reportagem vale uma vida”, escreve. “Eu tenho outro lema: as reportagens com risco de vida são as mais atraentes”. Para quem gosta, o repórter-herói dedica boas páginas aos seus momentos de Indiana Jones.

Francisco José afirma contabilizar mais de 2 mil reportagens em seus 40 anos de Globo. As suas maiores lições a quem está começando é ser original e querer aprender sempre. “Estou tentando aprender até hoje”, diz. “Cheguei à conclusão que deveria ser apenas Chico José, sem imitar ninguém, nem mesmo os mais consagrados profissionais da TV. E manter sempre o meu sotaque”. Fica a dica.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo