Blog do Mauricio Stycer

É ruim, mas é bom: 4 motivos por que “A Lei do Amor” bateu recorde no Ibope

Mauricio Stycer

27/01/2017 13h48

leidoamorciromagnoliadelegado2
Foi preciso esperar até o capítulo 100 para, finalmente, “A Lei do Amor” conseguir superar a audiência de 30,6 pontos alcançada na estreia, em 3 de outubro de 2016. Com a prisão de Ciro (Thiago Lacerda), a novela de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari registrou média de 31,4 pontos em São Paulo nesta quinta-feira (26).

Com audiência mediana nos seus primeiros três meses, “A Lei do Amor” passou por uma série de mudanças, algumas radicais, em busca de um diálogo maior com o público. A novela continua ruim, confusa e com uma história pobre, mas está festejando a sonhada recuperação. O recorde desta quinta-feira é resultado de quatro razões principais.

leidoamorfaustomagnolia
A derrocada de Magnólia: A grande vilã da novela, interpretada por Vera Holtz, esbanjou hipocrisia ao longo dos primeiros 99 capítulos. Além de manter um caso de 20 anos com o genro, manipulou o outro vilão da novela, Tião, matou ou mandou matar vários de seus desafetos, incluindo o marido, mas nunca perdeu a pose de devota a Deus. O público ansiava por sua queda, que finalmente está ocorrendo.

leidoamorciropreso2
Fim da linha para Ciro: Amante de Magnólia, o personagem de Thiago Lacerda foi capacho da vilã em toda a história. Sem dó, tinha prazer em humilhar e agredir a própria mulher. Escondia de todos a mãe, cega. Boicotava o trabalho na tecelagem. A virada do personagem ocorre após ele descobrir que Magnólia matou Beth (Regiane Alves), por quem estava apaixonado. É um bom candidato a redenção, o que muitos espectadores sempre esperam.

leidoamoralicewegmann
A volta de Isabela: A personagem de Alice Wegmann desapareceu da novela por quase dois meses. Ao longo deste período, o seu grande amor Tiago (Humberto Carrão) retomou o namoro com Letícia (Isabella Santoni). Na pele da massagista Marina, Isabela voltou para se vingar de todos. Os seus planos ainda são um mistério, mas o vilão Tião (José Mayer) está atrás dela. Um atrativo para os próximos capítulos é o fato que Tiago ainda não a reencontrou. Esta trama não é original, mas tem bom apelo.

leidoamorsenador
Foco retomado: O sumiço, a morte ou o esquecimento de um grande número de personagens ajudou “A Lei do Amor”. A novela começou com excesso de gente em papéis secundários, o que dificultava, para muitos, a compreensão. Várias tramas curiosas foram implodidas, toda a história de fundo político, como a do senador Venturini (imagem), perdeu sentido, mas a novela ganhou foco, o que pode estar ajudando em matéria de audiência.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo