Blog do Mauricio Stycer

Por vice-liderança, Record ignora faixa responsável por 29% do faturamento

Mauricio Stycer

02/01/2017 06h01

edirmacedosuicidio
O jornalista Ricardo Feltrin informou que a Igreja Universal do Reino de Deus deve pagar à Record cerca de R$ 575 milhões em 2016 pela compra da faixa horária da emissora nas madrugadas (de 1h15 às 6h) de segunda a domingo. A notícia foi divulgada no dia 24 de dezembro.

O colunista do UOL informou que os R$ 575 milhões da Universal representam aproximadamente 28,7% do faturamento total da Record (cerca de R$ 2 bilhões) em 2016.

Esses dados levantam uma questão interessante em relação à postura da emissora sobre índices de audiência. A Record tem defendido que o horário principal da televisão é o de 7h da manhã à meia-noite. Segundo ela, é nesta faixa que se concentra a maior parte do bolo publicitário – e onde ela é vice-líder de audiência.

Ou seja, a Record quer que a faixa responsável por quase 30% do seu faturamento, segundo os dados divulgados por Feltrin, não seja considerada.

Já o SBT, que tem programação normal de madrugada, acha mais justo que os números de audiência sejam analisados na totalidade das 24 horas do dia. Por este critério, a emissora de Silvio Santos tem se mantido na vice-liderança.

Feltrin publicou, ainda, dados sobre a evolução dos gastos da Universal com a compra de horários (veja abaixo) e informou que a igreja se recusou a comentar os números sob a alegação de que há cláusulas de confidencialidade no seu contrato com a Record. A emissora também não se manifestou. Como se sabe, o fundador e líder da igreja, Edir Macedo, é o proprietário da emissora desde 1989.

2006 – R$ 240 milhões
2011 – R$ 480 milhões
2013 – R$ 500 milhões
2015 – R$ 535 milhões
2016 – R$ 575 milhões (estimativa)

O Ministério Público diz que a prática de aluguel de horários, abertamente adotada não apenas pela Record, mas também por Band, RedeTV! e Gazeta, é ilegal, pois caracteriza alienação de concessão pública. Como, porém, não há veto explícito na legislação, a prática tornou-se comum no mercado.

A Record procurou o blog para afirmar que não apenas ela, mas também os seus concorrentes, entre os quais a Globo, consideram a faixa das 7h à 0h como a principal.

A imagem no alto reproduz um momento do programa “Fala que Eu Te Escuto” exibido na madrugada de 1º de janeiro de 2017, que contou com a participação de Macedo e teve como tema o suicídio.

Veja também
Por madrugadas, Igreja Universal pagará este ano à Record R$ 575 milhões

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo