Blog do Mauricio Stycer

Para não expor sofrimento, Esporte Interativo preserva parentes de vítimas

Mauricio Stycer

30/11/2016 17h52

Em uma decisão bastante incomum no Brasil, o Esporte Interativo deliberadamente não procurou para entrevistas familiares das vítimas do acidente com o avião da Chapecoense. O canal esportivo do grupo Turner entendeu que seria “mais importante respeitar o lado humano” do que “mostrar o sofrimento das pessoas”

O canal abriu mão de aumentar “um pouquinho a audiência”, como disse Fabio Medeiros, diretor de Conteúdo, por entender que “os valores humanos estão acima de estratégias imediatas do canal”. Segundo o executivo, o EI avaliou que os parentes das vítimas “não tinham informações que fossem relevantes para contribuir com a cobertura”.

Ao longo da terça-feira (29), durante a cobertura e por meio das redes sociais, os espectadores foram informados da decisão do canal. Nem todo mundo entendeu: “Algumas pessoas chegaram a pedir ou questionar, nas redes sociais, sobre não estarmos mostrando as famíias. Nosso time de redes sociais foi orientado a explicar a cada uma desas pessoas sobre a nossa decisão e, quando a gente explicava, o retorno era sempre positivo”.

O saldo, na visão da empresa, foi altamente positivo: “Recebemos também inúmeros e incontáveis elogios e mensagens de apoio pela decisão de pessoas do Brasil e também de outros países da América Latina. Muita gente elogiou… Foi um reconhecimento importante pra gente.”

esporteinterativochapecoQuestionado pelo blog, Medeiros enviou o seguinte comentário sobre a decisão:

“A gente acha que num momento como esse, muita gente está sofrendo, inclusive a gente, mas quem está sofrendo mais, disparadamente, são as famílias. E no caso como o de ontem, as famílias não tinham informações que fossem relevantes para contribuir com a cobertura e com o que estávamos levando ao nosso público e aos fãs da Chapecoense e de esportes em geral. Nós tínhamos outros meios para apurar informações, até pelos contatos e acesso que uma empresa de comunicação tem. A chance de as famílias conseguirem mais informações que nós era muito baixa. Talvez, mostrar o sofrimento das pessoas, aumentasse um pouquinho a nossa audiência, mas achamos que o mais importante era respeitar o lado humano dessas pessoas. Os valores humanos, pra nós, estão acima de estratégias imediatas”.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo