Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

"JN" tem duração 50% maior em edição especial sobre a morte de Fidel

Mauricio Stycer

27/11/2016 16h34

jnlarissaschmidt
A Globo mostrou flexibilidade e atrasou toda a grade noturna do seu sábado (26) por conta da cobertura da morte do líder cubano Fidel Castro. O "Jornal Nacional" teve peso e duração de edição especial — 60 minutos, 50% acima da média dos sábados, que é de 40 minutos.

Nos últimos cinco meses, apenas em um sábado, no dia 20 de agosto, o telejornal teve duração maior. Naquele dia, véspera do fim da Rio 2016 e do ouro no futebol masculino, o JN ficou no ar por 95 minutos com uma cobertura especial sobre os Jogos Olímpicos.

Nem na véspera do primeiro turno das eleições municipais, em 1º de outubro, o "JN" teve duração tão longa quanto neste sábado dedicado à morte de Castro.

A extensa cobertura me pareceu bastante equilibrada e pluralista, abordando as mais variadas questões e as diferentes opiniões sobre o líder cubano e o seu legado. Além do apoio de repórteres em Miami, Nova York, Roma e Paris, o "JN" teve como diferencial o relato de uma repórter da emissora, Larissa Schmidt, direto de Havana, onde estava de férias.

O principal telejornal concorrente da Globo, o "Jornal da Record", teve duração de 32 minutos, o tempo habitual aos sábados. O "RedeTV! News" também não alterou especialmente o seu tempo neste sábado, com 39 minutos. Band e SBT não colocam em seus sites a versão integral de seus principais telejornais, "Jornal da Band" e "SBT Brasil".

Audiência (atualizado em 28/11): Com 23,2 pontos, o "JN" foi a segunda maior audiência na TV aberta em São Paulo no sábado (26), atrás apenas de "A Lei do Amor", que registrou 23,6 pontos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.