PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

“Êta Mundo Bom” promoveu esperança em tempos de crise e desencanto

Mauricio Stycer

26/08/2016 07h00

etamundobomcandinhoanastacia
Nos últimos meses, Walcyr Carrasco foi questionado inúmeras vezes sobre as razões do extraordinário sucesso de "Êta Mundo Bom". Muitas vezes disse que não sabia a resposta. Em outras ocasiões, buscou explicação nos valores que a história promoveu – o otimismo, a esperança, a bondade.

A enorme aceitação da novela passa por aí mesmo – pela mensagem positiva e pela simplicidade espantosa que exibiu do início ao fim. Mas muitos outros folhetins foram por este caminho sem o mesmo êxito.

Por isso, acho que há algo a mais. Acredito que "Êta Mundo Bom" deve muito ao momento em que foi exibida – um período de crise política e econômica e, de certa forma, de muito desencanto.

Ambientar a trama na década de 40 do século 20 foi só um pretexto para Carrasco aprofundar o caráter ingênuo de muitos personagens. O momento crucial que o Brasil e o mundo passavam na época foi completamente ignorado.

A única referência temporal da novela foram os títulos dos filmes de Hollywood que apareciam dos letreiros do cinema e a procura por petróleo no interior de São Paulo

Sem preocupação com o realismo, o autor desenvolveu tipos transparentes e cristalinos, como só existem nas histórias infantis. O excesso de bondade e simplicidade de boa parte dos personagens tornou a novela atraente para quem buscava receber mensagens edificantes e reconfortantes da TV.

O caipira de coração puro, que veio para a cidade grande em busca da mãe. A milionária bondosa, que passou a vida procurando o filho tirado dela ainda bebê. A jovem simples e boa, que foi expulsa de casa pelo pai por estar grávida. O pai que cometeu um crime para financiar a cirurgia que permitiria ao seu filho andar. O noivo dedicado à noiva gravemente doente. A menina pura do interior que passava os dias fantasiando sobre o "cegonho" masculino.

Esses e outros tipos elementares fizeram "Êta Mundo Bom" andar alegremente por 191 capítulos. Com habilidade, Carrasco conseguiu desenvolver estas e outras tramas sem muita enrolação, sempre propondo desdobramentos e dando agilidade à novela.

Abrindo mão de qualquer ousadia ou polêmica, a novela das 18h30 encontrou um grande público, num sinal de que há uma parcela considerável da audiência ansiosa exatamente por isso: entretenimento sem esforço. E a garantia de que o bem vencerá o mal, o amor superará as barreiras, o esforço será recompensado e há motivos para ser otimista com o mundo. Escapismo, em resumo.


UOL vê TV: 10 motivos que explicam o sucesso de "Êta Mundo Bom"

Veja também
Após 155 capítulos, surge o primeiro personagem ambíguo em "Eta Mundo Bom"
"Chorei muito" diz Walcyr sobre cena de "Eta Mundo Bom" que bateu recorde
Por causa de Sergio Guizé, novela das 18h merecia ter se chamado "Candinho"

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.