Blog do Mauricio Stycer

Fracasso do “Tomara que Caia” não deveria inibir criação de novos formatos

Mauricio Stycer

07/11/2015 09h01

tomaraquecaia2
“Tomara que Caia” seguramente estará em muitas listas de “piores do ano”. Na minha, com certeza, estará. Um programa de humor sem graça é indesculpável, ainda mais na Globo, com seus recursos em todas as áreas da cadeia de produção.

Lançado em julho, foi cancelado na primeira semana de novembro. Foi tão transformado nestes poucos meses que quase nada sobrou da ideia original – uma mistura de humorístico com competição, tendo por base o improviso, tudo mediado por votos e decisões do público.

Muita gente viu semelhanças na proposta com o “Quinta Categoria”, exibido pela MTV, em 2008, e o “É Tudo Improviso”, apresentado pela Band, em 2009, ambos com a participação da Cia Barbixas de Humor, que também esteve presente no novo programa da Globo.

A principal novidade foi o esforço de fazer do público um protagonista do show, tomando decisões que mudariam o rumo das histórias. Ao vivo.

Um erro de origem, na minha opinião, comprometeu todo o esforço de criação do “Tomara que Caia” – a escalação de atores sem o menor traquejo para o improviso. Alguns, até, claramente manifestaram pavor de estarem ali, submetidos a interferências externas, em um programa não gravado nem editado.

“Tomara que Caia”, enfim, começou mal e jamais se acertou. A interação perdeu espaço e, à medida que a coisa degringolou, quase todos os atores do elenco original saíram. No fim, ele até deixou de ser ao vivo – uma de suas características mais ousadas.

tomaraquecaiacreditosAinda assim, espero que a experiência que levou à criação do “Tomara que Caia” não deixe de existir junto com a atração. O programa nasceu dentro do chamado Fórum de Formatos Globo – um grupo liderado pelo diretor Boninho com o objetivo de desenvolver ideias originais dentro da emissora.

Acho difícil de entender – e de aceitar – que uma indústria de televisão do tamanho da brasileira recorra com tanta falta de cerimônia a produtores estrangeiros para comprar programas. Pior, que adquira “formatos” que são mera recauchutagem de atrações já exibidas aqui, como shows de talentos musicais, por exemplo.

Estamos todos de acordo que “Tomara que Caia” não deu certo. Mas tomara que não seja um filho único.

Leia também
Sem graça alguma, “Tomara que Caia” vale pelo risco de testar novo formato
Atores sem jeito para o improviso ajudaram a afundar o “Tomara que Caia”
Monica Iozzi consegue tirar o humorístico “Tomara que Caia” do sério

O blog está no Twitter e no Facebook.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo