Blog do Mauricio Stycer

Imitação de Silvio Santos chega à Globo no horário do “patrão” no SBT

Mauricio Stycer

19/10/2015 00h15

Wellington Muniz, o Ceará, apresentou no “Tomara que Caia” a imitação mais famosa que já criou. Não bastasse a surpresa de ver o seu Silvio Santos na Globo, o número foi ao ar na noite deste domingo (18) enquanto o original apresentava o seu programa no SBT.

No confronto entre os dois programas, entre 23h30 e 0h09, houve ligeira vantagem para o Silvio original: 11,8 pontos contra 11,7 (cada ponto no Ibope em São Paulo equivale a 67 mil residências). Curiosamente, nas duas semanas anteriores, sem imitação de Silvio Santos, o “Tomara que Caia” havia vencido o programa do SBT; no dia 11, por 11,4 a 9,9, e no dia 4 por 12,4 a 9,7. No Rio, neste domingo, o resultado a favor de Silvio Santos foi bem melhor: 13,3 contra 11,5.

Ceará entrou em cena junto com a famosa música do “Programa Silvio Santos”, evocou o célebre Lombardi (Luis Lombardi Neto), locutor da atração por décadas, e fez a plateia rir com sua imitação da mais famosa gargalhada da televisão. Ao final do programa, fez uma homenagem a Luiz Carlos Mieli, falecido esta semana.

tanoaradnetsilvioNão é a primeira vez que imitações de Silvio Santos aparecem na Globo. Marcelo Adnet, por exemplo, surgiu caracterizado como o dono do SBT na estreia do “Tá no Ar”, em abril de 2014. Menções ao apresentador e a outros nomes da concorrência têm sido feitas frequentemente no “Video Show “ também.

Mas a imitação de Ceará talvez seja a mais célebre e antiga. O personagem estreou na televisão no “Pânico”, em 2003, na RedeTV!. Silvio Santos proibiu a exibição da imitação em 2005, mas voltou atrás e deixou o humorista fazer o seu número até 2012, quando moveu uma ação na Justiça, levando o “Pânico” a “enterrar” a piada.

Em 2013, depois de uma decisão judicial favorável, o humorista voltou a fazer a imitação, agora na Band. Este ano, já fora do “Pânico”, Ceará levou o personagem para “A Grande Farsa”, o programa que apresentou no Multishow.

Como Ceará já fez a sua imitação para o próprio Silvio, em 2007, no “Qual É a Música?”, no SBT, com esta sua aparição no “Tomara que Caia” ele chega à quinta emissora, o que deve ser um recorde para um personagem de humor.

Atualizado em 19/10, às 11h.

Leia também
Sem graça alguma, “Tomara que Caia” vale pelo risco de testar novo formato
Atores sem jeito para o improviso ajudaram a afundar o “Tomara que Caia”

Silvio e “Silvio” juntos no SBT:

O blog está no Twitter e no Facebook.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo