Topo

A conta está errada: “Além do Tempo” terá salto de 120 anos, e não 150

Mauricio Stycer

12/10/2015 05h01

Uma característica de "Além do Tempo" é o fato de a autora, Elizabeth Jhin, nunca ter determinado exatamente o tempo em que se passava a novela. Sabemos que é uma história ambientada na segunda metade do século 19, mas em que ano?

Na verdade, isso nunca teve maior importância para o bom andamento da novela. Mas, no momento em que a Globo anunciou que ocorreria uma passagem no tempo de 150 anos, comecei a pensar sobre o assunto.

alemdotempoireneravacheAo longo da trama, a autora deu algumas pistas. Primeiro, a estrutura do casarão, onde se desenrola a ação principal. Trata-se de um local habitado por uma condessa, Vitória (Irene Ravache), mas sem escravos. O principal personagem negro, Raul (Val Perré), é caracterizado como um ex-escravo. A abolição da escravatura se deu, como se sabe, em 1888. Mesmo depois da proclamação da República, em 1889, a condessa Vitória poderia ainda ser chamada dessa forma por seus empregados e conhecidos.

alemdotempomassimoefamiliaCulto, o administrador da propriedade da condessa, Massimo (Luis Melo), já fez menção às teorias de Freud sobre histeria (1895) e à Torre Eiffel (construída em 1889). No capítulo de sábado (10), apareceu em cena uma bola de futebol (1894).

Com toda licença poética que uma novela merece, é possível imaginar que "Além do Tempo" se passe em torno de 1895. Repito. Isso não tem maior importância. Porém, se a novela vai dar um salto de 150 anos na próxima segunda-feira, dia 19, isso significaria dizer que a trama vai se passar em 2045. Ou seja, no futuro. Impossível.

Como a história vai se passar nos dias atuais, ou seja, em 2015, se o salto é de 150 anos, quer dizer, então, que a primeira fase de "Além do Tempo" se passou em 1865 – o que também é impossível em função das referências citadas.

alemdotempoemiliabernardoÉ possível que o encontro entre os protagonistas, quando jovens, Emilia (Ana Beatriz Nogueira) e Bernardo (Felipe Camargo), tenha ocorrido em 1865, mas a novela não se passou nesta época, e sim muitos anos depois.

Por todas as referências citadas, acho que "Além do Tempo", de fato, se passou em 1895. Dessa forma, o salto no tempo que ocorrerá será de 120 anos. Acho que esse é o número mais correto.

Questionei a Globo sobre o assunto. A emissora confirma que autora não determinou o ano em que se passou a primeira fase. E, por isso, o material de divulgação da novela fala em em salto de "cerca de 150 anos".

Em entrevista ao "Estadão" neste domingo (11), o diretor Rogério Gomes falou que o salto será de 150 anos. Segundo a Globo, ele apenas "arredondou a informação". O objetivo é deixar claro para o público que "mais de um século se passou". Então, estamos de acordo: "Além do Tempo" vai dar um salto de mais de 100 anos na próxima fase.

Veja também
Com ótima trama folhetinesca, "Além do Tempo" entra em nova fase
Com salto de 150 anos, "Além do Tempo" vai ter cenas de época e atuais

O blog está no Twitter e no Facebook.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Mauricio Stycer