PUBLICIDADE
Topo

Grazi não “calou a boca” de ninguém; ela melhorou como atriz

Mauricio Stycer

28/08/2015 05h01


Vejo muita gente dizendo que Grazi Massaferra "calou a boca" de quem tinha preconceito de ver uma ex-BBB virar atriz. Vamos com calma. Grazi não era uma boa atriz quando começou.

Sem nenhum conhecimento sobre esse ofício ao deixar o reality show, em 2005, Grazi conquistou um lugar na Globo devido ao carisma que esbanjava e à enorme simpatia exibida durante o confinamento.

Nas suas primeiras participações em programas de humor na TV se mostrou insegura e fraca. Ao dar os primeiros passos em novelas, igualmente, não demonstrou maior talento. "Páginas da Vida", "Desejo Proibido", "Negócio da China", "Tempos Modernos"… Você lembra da Grazi?

Mas a atriz perseverou. Acreditou que poderia melhorar. Estudou, se preparou, cresceu. Em "Flor do Caribe" (2013) foi possível ver o resultado do seu esforço — ela se saiu muito bem como uma das protagonistas.

verdadessecretasgrazitoplessEm 2014, como outros atores brasileiros já fizeram, Grazi passou 20 dias na Espanha, tendo aulas com o argentino Juan Carlos Corazza, um famoso treinador de elenco.

Fui um dos primeiros a elogiá-la no papel de Larissa, em "Verdades Secretas". Está ótima na novela e merece todos os aplausos que está recebendo. Mas sem essa de "calou a boca" dos críticos ou de quem quer que seja – Grazi melhorou como atriz.

Cenas de "Verdades Secretas"

Cenas de "Verdades Secretas"

Leia também
Viciada em crack, Larissa chama atenção para dramas reais, diz Grazi
Nilson Xavier Grazi se destaca como a modelo drogada de "Verdades Secretas"
Cena de Grazi mostrando os seios em "Verdades Secretas" causa furor na web

O blog está no Twitter, Facebook e Google+.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Mauricio Stycer