Blog do Mauricio Stycer

Sete motivos por que vamos sentir saudades de “Sete Vidas”

Mauricio Stycer

09/07/2015 05h01

setevidasparquediversoes

Fato cada vez mais incomum hoje em dia, “Sete Vidas” vai terminar nesta sexta-feira (10) deixando um gostinho de “quero mais” na boca do público. Em meio a novelas que tem provocado indiferença ou rejeição, a trama de Licia Manzo agradou e cativou um público fiel do principio ao fim.

Abaixo tento explicar por que “Sete Vidas” é daquelas novelas que serão lembradas com saudade.

setevidasmiguelligia2Humanismo: Licia Manzo se destaca hoje entre os autores de novelas pela forma como tem abordado, com delicadeza e profundidade, temas básicos sobre relações humanas. O título de sua primeira novela, “A Vida da Gente”, serve muito bem para explicar o que “Sete Vidas” teve de melhor: contou histórias fundadas em dramas universais, que provocam identificação e reflexão de qualquer espectador. Ainda que ambientadas no campo da classe média, as dúvidas e fraquezas de seus personagens fazem sentido para qualquer pessoa.

setevidasisabellauro2“Podemos conversar?”: Como já havia ocorrido na novela anterior da autora, “Sete Vidas” chama a atenção por ser estruturada basicamente em forma de debates – de ideias, sentimentos, posições. Como se os personagens estivessem o tempo todo em uma sessão de terapia, eles discutem entre si, a cada cena, os diferentes lados de cada questão. Longe de ser chata, esta “DR” interminável que foi a novela acaba se tornando atraente por conta da elevada qualidade do texto. Licia Manzo e seu time de colaboradores são especialistas em dar naturalidade e realidade aos diálogos.

SeteVidasLuiseFilhos2Tema original: A novela se estruturou a partir da ideia de que o conceito de família hoje comporta novos e complexos significados. Gerados por inseminação artificial, diferentes personagens se descobriram irmãos ao longo da trama. “Sete Vidas” também mostrou, sem escandalizar, a relação de dois filhos criados por uma mãe que foi casada com outra mulher. Houve, ainda, espaço para falar de mulheres que trocam a maternidade pelo trabalho, adoção, casamentos felizes mas acomodados, relações fundadas na exploração do homem etc.

Curta duração: A sensação de que “Sete Vidas” poderia continuar por mais tempo no ar se explica. A novela ficou apenas quatro meses em exibição. Com pouco mais de 100 capítulos, é bem mais curta que a média das produções da Globo. Estruturada originalmente desta forma, ela não foi “esticada”, o que evitou aquela desconfortável sensação de “barriga”, ou enrolação, que acomete a maioria das novelas. Acho que a emissora deveria apostar mais em histórias enxutas como esta.

setevidasmartaAusência de malícia: Na contracorrente da teledramaturgia atual, a novela de Licia Manzo apostou em conflitos plausíveis, sem exageros e com poucas maldades. A maior vilã da história, Marta (Gisele Froes), representou uma mulher fria, calculista e interesseira, capaz de algumas mentiras, mas nada além disso. Branca (Maria Manoella) representou uma mãe insensível, preconceituosa e vingativa. Outra personagem, Iara (Walderez de Barros), a mãe de Vicente (Ângelo Antonio) e Arthurzinho (André Frateschi), fez muita besteira em nome do excesso de zelo. Já Durval (Claudio Jaborandy) enganou Marlene (Cyria Coentro) por ser viciado em jogo.

setevidasesther2Regina Duarte: No papel de Esther, mãe da impulsiva Laila (Maria Eduarda de Carvalho) e do contido Luis (Thiago Rodrigues), a veterana atriz brilhou na novela. Independente, libertária, casada com outra mulher no passado, ela surgiu no meio da história para injetar doses de bom senso em personagens sem rumo. Segura e à vontade, Regina mostrou mais uma vez, mesmo em um papel secundário, os seus grandes recursos como atriz. A propósito, vale destacar a qualidade de um elenco bastante homogêneo, muito bem dirigido, que manteve a novela sempre em alto nível em matéria de interpretação.

setevidaspedro4Guerra dos sexos: Dedicada ao público feminino, o mais fiel ao horário das 18h, “Sete Vidas” repetiu um padrão visto em “A Vida da Gente”: personagens femininas fortes e homens fracos, indecisos, vacilões. Quase sem exceção, os personagens masculinos da novela se mostraram dependentes de mulheres compreensivas, sem saber como agir em situações difíceis e incapazes de tomar decisões. Preocupada, talvez, em corrigir uma distorção freqüente em novelas, nas quais as mulheres reproduzem clichês machistas, Licia Manzo acabou por desequilibrar a balança na outra direção, inventando homens excessivamente frágeis.

Agora, só no Vale a Pena Ver de Novo ou no canal Viva…

Cenas de “Sete Vidas”

Cenas de “Sete Vidas”

#uolbr_tagAlbumEmbed(‘tagalbum’,’75702+AND+31015′, ”)

Veja também
“Sete Vidas” dá contribuição ousada no combate ao preconceito
Top 10: Os personagens masculinos mais vacilões de “Sete Vidas”
Haja “DR”!: “A Vida da Gente” e a arte de “discutir relação”

O blog está no Twitter, Facebook e Google+.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo