Blog do Mauricio Stycer

Para segurar a audiência, nada melhor que a cobertura ao vivo de um drama

Mauricio Stycer

25/06/2015 05h01

Vinte e quatro horas depois da morte de Cristiano Araujo, o tamanho da cobertura que as principais emissoras de TV aberta estão dando ao fato intriga não apenas a quem ignorava solenemente o cantor como também aos seus próprios fãs.

As circunstâncias dramáticas da morte – tinha apenas 29 anos, voltava de um show, a namorada também faleceu no acidente – certamente contribuíram para aumentar a comoção. Além de ser muito querido pelos colegas, tinha um grande fã-clube jovem, o que também ajudou a elevar a ressonância do drama.

cristianoaraujogloboAinda assim, é difícil entender o espaço que o caso tomou. A Globo, como escrevi, chegou a alterar a sua programação, cancelando a Sessão da Tarde, para dedicar mais tempo a uma cobertura que começou nos telejornais matinais, prosseguiu no “Mais Você”, “Encontro com Fátima Bernardes” e se estendeu no “Video Show” especial, que ficou no ar até as 16h40 de terça-feira (24).

As demais emissoras também se desdobraram ao longo do dia – Record, RedeTV!, Band e até Gazeta. Foi um festival de flashes ao vivo de Goiânia, onde o cantor vivia e foi velado, análises e especulações sobre as causas do acidente, entrevistas com amigos e colegas, além de reprises de números musicais.

cristianoaraujoguguÀ noite, houve uma disputa particular entre Gugu Liberato e Ratinho pelo direito de tratar do assunto de forma mais dramática. Enquanto o apresentador do SBT se vangloriava de ter sido o primeiro programa nacional a receber Cristiano, seu colega da Record prometia apresentar o áudio da última entrevista do cantor.

cristianoaraujoratinhoUma pergunta comum no Twitter, diante desta cobertura avassaladora, era: como será que as emissoras vão se comportar no dia em que artistas bem mais famosos morrerem?

É sintomático desta preocupação um comentário de Otaviano Costa durante a exibição do interminável “Video Show” de terça-feira. O apresentador disse que, como muita gente, não conhecia o cantor e estava impressionado com a comoção gerada pela sua morte.

Tenho a impressão que parte da energia investida na cobertura da morte de Cristiano Araujo se explica pela fuga de audiência da TV aberta. É preciso segurar o espectador a qualquer custo – e nada melhor para isso do que uma cobertura ao vivo de uma tragédia, mesmo que o seu protagonista não seja conhecido por parte do público.

Veja também
Globo cancela Sessão da Tarde por cobertura da morte de Cristiano Araujo
Velório do cantor Cristiano Araújo atrai 10 mil pessoas em Goiânia
Morte de Cristiano Araújo turbina programas da Record e Vídeo Show

O blog está no Twitter, Facebook e Google+.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo