PUBLICIDADE
Topo

Por que os autores fizeram a heroína de “Babilônia” ser tão chata?

Mauricio Stycer

18/06/2015 07h40

No UOL Vê TV desta semana, tento entender o que há de errado com uma das protagonistas de Babilônia. Em vez provocar pena ou simpatia, a heroína da história, Regina (Camila Pitanga), está irritando os espectadores. De quem é a culpa? Dos autores da novela.

O blog está no Twitter, Facebook e Google+.

Veja também
Gilberto Braga responsabiliza paulistas e Globo por fracasso de "Babilônia"
Má gestão da crise e novos rumos transformam "Babilônia" em "novela-zumbi"
Em dia muito ruim, "Babilônia" perde até de "Malhação" no Rio

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.