PUBLICIDADE
Topo

“Dez Mandamentos” bate novo recorde e se aproxima da Globo

Mauricio Stycer

16/06/2015 12h42

dezmandamentoscoroacaoramses
Numa noite em que o número de aparelhos ligados em São Paulo foi acima da média, possivelmente por conta do frio, "Os Dez Mandamentos" bateu novo recorde na segunda-feira (15) e alcançou o seu melhor resultado desde a estreia, em março. A novela registrou média de 17 pontos. O capítulo mostrou a coroação de Ramsés (Sérgio Marone) como faraó, no lugar do pai, Seti (Zécarlos Machado), morto por envenenamento.

O "Jornal Nacional" teve média de 25 pontos. Nos 12 minutos em que a novela da Record disputou com "Babilônia", o placar foi de 18 x 24, a favor do folhetim da Globo.

Exibindo "Chiquititas", o SBT teve média de 13 pontos, enquanto a Band, com "Mil e Uma Noites", marcou 3. Ou seja, as três novelas juntas alcançaram 34 pontos.

A última novela da Record que registrou números tão altos no Ibope foi "Bela, a Feia", exibida entre 2009 e 2010. O último capítulo marcou 22 pontos.

Em maio, "Os Dez Mandamentos" foi o 20º programa mais assistido na televisão na Grande São Paulo. Os 19 primeiros são da Globo.

Alem das boas médias nos últimos dias, a emissora comemora alguns resultados pontuais. Em Goiânia, "Os Dez Mandamentos" já foi líder em cinco dias diferentes. Na quinta-feira (11), capítulo em que foi exibida a morte do faraó Seti, no Recife, a novela superou "Babilônia" por 17 a 16 nos 11 minutos em que foram exibidas simultaneamente.

Com números acima da expectativa, bom resultado comercial e uma história que ainda tem muito para mostrar, acredito que a Record tem motivos para sonhar mais alto.

Os Dez Mandamentos

Os Dez Mandamentos

$escape.getHash()uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','75952', ")

Veja também
Sete motivos que ajudam a explicar o sucesso de "Os Dez Mandamentos"

O blog está no Twitter, Facebook e Google+.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Mauricio Stycer