Blog do Mauricio Stycer

Sinceridade de Gilberto Braga expõe o caos causado por “Babilônia”

Mauricio Stycer

01/06/2015 05h01

GilbertoBragaBabilonia2No ar desde 16 de março, “Babilônia” está se revelando uma das produções mais problemáticas da história recente da Globo. A novela sofre com uma audiência muito abaixo da média do horário e com a visível rejeição de parte do público a figuras centrais da trama.

Também padece por ter um enredo pobre, piorado ainda mais depois que os autores reescreveram tramas, mudaram radicalmente o perfil de alguns personagens e abandonaram outros.

Neste esforço meio atrapalhado para reconquistar o público, capítulos foram reeditados e muito material foi jogado no lixo. Sem ter muita esperança numa reversão do resultado, a emissora decidiu antecipar o final da história em pelo menos um mês.

Em meio a esta confusão toda, muita gente estranhou o silêncio Gilberto Braga. Durante 75 dias, o principal autor de “Babilônia” não falou, publicamente, uma palavra a respeito da novela.

O longo período calado foi compensado por uma surpreendente entrevista a “O Globo”, publicada neste domingo (31), na qual ele esbanja sinceridade, humor, ironia e deboche.

Braga recorre a duas palavras fortes, “calamitosa” e “catastrófica”, para se referir à audiência da novela nas primeira semanas – termos jamais usados pela Globo. Diz que está satisfeito com o resultado depois das mudanças, mas reclama. “Deu muito trabalho refazer. Está dando muito trabalho”.

babiloniamuriloaliceLúcido e corajoso, o autor critica abertamente a Globo pela ordem para que alterasse aspectos básicos da trama, apesar de terem sido previamente aprovados pela própria emissora um ano antes. “Era forte e ninguém falou nada. Depois que a novela entrou no ar falaram: cafetão e garota de programa não pode! Tinham que ter me avisado na sinopse”

Por outro lado, Braga não é capaz de reconhecer que muitos dos problemas da novela decorrem de falhas da trama que ele próprio imaginou e do texto que escreveu. O autor prefere culpar o público, em especial o espectador de São Paulo, onde “Babilônia”, segundo diz, obtém os seus piores resultados.

“Paulista é esquisito”, afirma. “Um dos meus melhores amigos é o Silvio de Abreu. Ele fez o personagem Jamanta (em ‘Torre de Babel’, de 1998). Odeio Jamanta e falei: ‘Jamanta de novo?’ (quando ele voltou em ‘Belíssima’, de 2005). Ele disse: ‘É um fenômeno paulista. Fora de São Paulo ninguém suporta, mas lá é um sucesso. Por isso que eu botei’. Acho que o problema está aí. Não sei escrever para quem gosta de Jamanta. Meu universo é anti-Jamanta.”

babiloniacarlosalbertoDe forma debochada, o autor volta a falar deste público ao explicar por que desistiu de caracterizar Carlos Alberto (Marcos Pasquim) como gay: “Para atender um pedido de um grupo de discussão de São Paulo. Elas tinham tesão pelo Pasquim e lamentaram o fato de ele ser gay na novela. Eu fiquei com pena das mulheres e botei ele para ser hetero”.

Outra prova da dificuldade que Braga tem em enxergar os problemas de “Babilônia” ocorre quando é questionado pelo jornalista Zean Bravo sobre quais são as suas apostas para a novela. Ele cita apenas uma, justamente uma trama paralela pretensamente cômica e muito batida – a que envolve uma mulher extrovertida da favela Babilônia, Valesca (Juliana Alves), e um rapaz tímido do Leme, Norberto (Marcos Veras).

babiloniabeijofernandanatalia2Também é surpreendente a sua tentativa de se eximir de responsabilidade pela repercussão que teve o beijo entre Estela (Nathalia Timberg) e Teresa (Fernanda Montenegro), exibido no primeiro capítulo da novela:

“O beijo que eu escrevi era um selinho. Eu fiz a cena e lembro que botei selinho. Fernanda, que gosta muito da novela, sugeriu ao (diretor) Dennis Carvalho que fosse um beijo um pouco mais longo e romântico. Não chegou a ser chupão, mas ficou um beijo. Não estou dizendo que a culpa é da Fernanda porque todos nós vimos e gostamos. Então todo mundo é responsável. Ninguém viu nada demais naquele beijo.”

Questionado duas vezes se não pretende parar de escrever novelas e se aposentar, Braga primeiro diz: “Gosto de fazer sucesso e vou fazer as concessões que forem necessárias para o público gostar. Seria arrogante achar que sou o maioral”. Depois afirma, esbanjando superioridade: “Não pretendo me aposentar. Pago um condomínio muito alto. Aqui, em Paris e em Nova York”.

Ao responder sobre como reagiu à baixa audiência da novela, Braga diz que ficou “deprimido” e informa que é dependente de remédios tarja preta, como Rivotril. O que mais o incomoda, sugere, é ver “Babilônia” ter menos audiência do que a novela das 19h. Nas suas palavras, trata-se de uma “humilhação pública diária”.

A entrevista termina com o seguinte diálogo:
– Você faz 70 anos em 2015. O que mais quer de presente?
– Quero ganhar de “I Love Paraisópolis”.

Braga ainda tem três meses de novela pela frente para alcançar o seu objetivo.

Veja também
Gilberto Braga responsabiliza paulistas e Globo por fracasso de “Babilônia”
Má gestão da crise e novos rumos transformam “Babilônia” em “novela-zumbi”

O blog está no Twitter, Facebook e Google+.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo