Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Sem jeito nenhum para jurada, Sandy vira atração cômica do “Superstar”

Mauricio Stycer

20/04/2015 01h18

sandy

A Globo não está sendo muito feliz com as escolhas dos jurados do show de talentos "Superstar". Na primeira temporada, com Fábio Jr., Ivete Sangalo e Dinho Ouro Preto, o desastre foi completo – nenhum se salvou.

Nesta segunda edição, Paulo Ricardo está conseguindo se destacar pela sinceridade. "Fiquei prestando atenção na música e esqueci de votar", confessou para Fernanda Lima depois de elogiar uma banda, mas não votar nela. "Achei essa música muito ruim", disse para outro grupo, surpreendendo a todos.

Os outros dois jurados, Thiaguinho e Sandy, têm optado por comentários anódinos ou elogios gratuitos. O cantor é sempre o mais animado e se vê na obrigação de falar bem até quando vota "não".

Já a cantora tem sido involuntariamente engraçada com seus votos sérios. Aprovou uma banda mesmo sem conseguir compreender o que eles cantavam: "Eu não votei pela letra porque não entendi quase nada, mas gostei do estilo".

Tentou fazer graça com a banda Consciência Tranquila, mas ninguém riu: "Eles estão com a consciência tranquila", disse.

Disposta a ser escolhida como madrinha por todos os candidatos aprovados, Sandy chegou a se oferecer para alguns, sem sucesso. "Eu já fui pra África", disse à dupla de africanos que participou do programa.

Dona de uma ótima voz, a cantora cultiva uma imagem e um estilo que claramente não combinam com a função de jurada. Tímida, meiga, educada, Sandy está contribuindo com bons momentos cômicos, mas pouco julgamento musical no "Superstar". Acho que nem mesmo o seu apaixonado fã-clube está gostando de vê-la nesta função.

Atualizado às 10h23 e às 14h30

Veja também
Na 2ª semana, SuperStar tem filho de Moacyr Franco e gafe de Paulo Ricardo

O blog está no Twitter, Facebook e Google+.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.