Blog do Mauricio Stycer

Andressa Urach tenta se reinventar como celebridade devota a Deus

Mauricio Stycer

10/02/2015 02h04

UrachSuperPop

Nenhuma celebridade brasileira, nos últimos três anos, foi mais atrevida que Andressa Urach na busca pela fama. Radicalmente despudorada, ela batalhou – e conseguiu – ser notícia de forma incessante, criando factoides ou usando um arsenal inigualável de baixarias.

Andressa tirou a roupa nos mais variados eventos públicos, revelou detalhes sórdidos de sua vida em centenas de entrevistas, cuspiu literalmente em gente que se colocou no seu caminho e desdenhou, com afiado senso de humor, de qualquer tentativa de enquadrá-la ou desqualificá-la.

Não foram poucos os troféus do mundo das celebridades que ela conquistou com base em um título que, a rigor, nem existe, o de vice Miss Bumbum. Cito alguns: um suposto encontro íntimo com Cristiano Ronaldo, participação cativa em programas de auditório na TV, ensaios sensuais em revista, um lugar no reality “A Fazenda”, inúmeras menções na “Caras”, para não falar das citações na imprensa internacional, um feito que a coloca no patamar de um Rodrigo Santoro.

Tudo que conquistou, porém, desaguou em tragédia, ao ser internada com uma infecção grave nas pernas decorrente de aplicação de um produto sintético para dar forma ao corpo. Quase morreu, o “Cidade Alerta” chegou a noticiar que amputou as pernas, e muita gente arriscou dizer que a sua carreira de celebridade havia terminado.

Recuperando-se da longa internação, Andressa agora no início de 2015 está apresentando uma nova faceta, igualmente polêmica, de sua personalidade. A modelo declarou-se convertida à Igreja Universal e, aparentemente, está buscando exorcizar o passado.

andressaurachsuperpopVoltando a aparecer no circuito de programas de TV que sempre deram guarida para as suas declarações polêmicas, ela agora faz o papel de devota. Entrevistada por Luciana Gimenez no “SuperPop”, da RedeTV!, a modelo disse que tudo que fez, no passado, foi movida por “uma entidade” do Candomblé.

“Quando eu fiz o pacto com essa entidade… Essa entidade traz homens casados… Senti que meu corpo estava sendo invadido”. Disse que fazia “macumba” para conseguir arrumar namorados ricos e retribuía, em champanhe, quando conseguia. “Só me interessava por homens ricos” (veja abaixo):

Usando agora um novo vocabulário, explicou: “Ainda não tinha me convertido. Ainda não conhecia a palavra de Deus”. Luciana, ao final, tentou extrair algo de bom do discurso da ex vice Miss Bumbum: “Que ela tenha servido de lição para outras meninas”.

O grande desafio de Andressa Urach em sua nova fase é convencer o público de que se trata de uma conversão real e sincera. É uma tarefa difícil por conta dos últimos três anos em que fez tudo – e mais um pouco – para aparecer, sempre com muito sucesso.

Andressa não é a primeira celebridade a se converter. Veja abaixo:

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo