Blog do Mauricio Stycer

Caça aos erros históricos de “Boogie Oogie” é a nova diversão de noveleiros

Mauricio Stycer

13/08/2014 11h42

boogieoogieshopping
Fazer novela de época é sempre um desafio por conta dos muitos os detalhes envolvidos no trabalho de reconstituição – de figurinos a cenários, passando por vocabulário e diálogos. No caso de “Boogie Oogie”, que se passa em 1978, há uma dificuldade adicional: parte dos espectadores lembra deste período e, por isso, não cansa de questionar os elementos “históricos” vistos em cena.

No capítulo desta terça-feira (12), Fernando (Marco Ricca) passeia por um shopping center antes de chegar na loja de Vitória (Bianca Bin) e dar de cara com Susana (Alessandra Negrini). O único problema é que o primeiro shopping carioca, luxuoso como o visto em cena, o Rio Sul, só foi inaugurado em 1980.

Falando na personagem Susana, a leitora Beatriz mandou e-mail comentando outro problema: “Eu, como adolescente na época fervendo nas discotecas da minha cidade no interior de São Paulo, vejo uma porção de gafes. Uma delas é a personagem da Alessandra Negrini com tatuagem. Deviam esconder essa tatoo. Imagina só alguém tatuado naquela época. Era bandido e mulher biscate.”

No capítulo de sexta-feira (08), uma cena chamou atenção do leitor Sidney Falcão. Quando Sandra (Isis Valverde) está no quarto de Vitória, remexendo os seus objetos, a câmera mostra a caixa de uma fita-cassete com a capa do disco “Songs From the Big Chair”, do Tears for Fears – só lançado em 1985. “Ou seja, além do disco ter sido lançado só sete anos depois, o Tears For Fears não existia em 1978. O grupo só surgiria três anos depois”, escreveu.

Desde a estreia, a caça aos erros da novela das 18h da Globo tem sido uma das diversões dos espectadores. Já na estréia, o site Vírgula apontou dez gafes históricas em “Boogie Oogie”, entre os quais a inclusão de uma música, “Heart of Glass”, do Blondie, que só fez sucesso em 1979.

Nenhum desses erros é muito grave ou compromete o andamento da novela. E, no fundo, ajudam a tornar “Boogie Oogie” mais comentada. O problema é se estes problemas vierem a se tornar o assunto principal da novela.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo