Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Reclamação não é representativa dos evangélicos, diz criador do “Tá no Ar”

Mauricio Stycer

23/05/2014 15h47

tanoarfriends

O criador do "Tá no Ar", Marcius Melhem, procurou minimizar nesta sexta-feira (23) a repercussão negativa junto a espectadores evangélicos de um quadro do programa, exibido na véspera, na Globo.

"Não acredito que essa reclamação seja representativa dos evangélicos", afirmou Melhem ao UOL. "Também vi vários evangélicos pedindo mais humor a quem reclamou", disse. "Brincamos com os evangélicos assim como brincamos com todas as religiões. A gente brinca, não ofende. Temos o maior cuidado".

O programa apresentou um esquete chamado "Crentes", inspirado no seriado "Friends", imaginando se os seis amigos fossem evangélicos. "Essa foi a ideia: como seria um seriado evangélico. Só isso", diz.

Uma das reclamações dos espectadores foi quanto à letra da música-tema do seriado, que fala: "Pago o dízimo, 10% para o pastor". Melhem se defende: "A música não diz se isso é bom ou ruim. Não adjetiva. O público que julgue."

tanoarmelhemO criador do programa insiste: "Não fazemos juízo de valor nem questionamos nenhum dogma. Já brincamos com católicos, com o Candomblé, com muçulmanos, com judeus…" E avisa: "Vamos continuar brincando. Não temos nada contra nenhuma religião. A gente brinca com tudo, democraticamente. É chumbo livre."

Por fim, Melhem lembra que o episódio desta quinta-feira terminou com uma piada sobre o próprio "Tá no Ar". "É aquele programa que imita o Porta dos Fundos", disse um ator. "A gente sacaneia a gente mesmo, sacaneia a Globo", observa. "Nunca quis fazer um programa rancoroso."


Leia também
Evangélicos se revoltam com sátira de "Friends" no "Tá no Ar"

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Es portivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Newsletters

Mauricio Stycer traz análises exclusivas sobre TV e Famosos.

Quero receber