Blog do Mauricio Stycer

Narrador e empresário, Luciano do Valle ampliou espaço do esporte na TV

Mauricio Stycer

19/04/2014 18h24

Esqueça o narrador dos últimos anos. A voz continuava poderosa e vibrante, mas era visível a perda de agilidade na identificação de jogadores e na descrição das jogadas. O Luciano do Valle que vai ficar na memória do “fã do esporte” é o das décadas de 80 e 90, especialmente.

Diferentemente de outros narradores, Luciano do Valle não era um grande inventor de bordões. “Não somos artistas, somos jornalistas”, disse em uma entrevista recente à ESPN Brasil, explicando por que não usava bordões. Suas transmissões, carregadas de emoção, eram fundadas na descrição dos lances.

Um bom resumo do seu talento pode ser visto/ouvido nas transmissões dos jogos do Brasil na Copa de 1982. Diante de uma seleção dos sonhos, a empolgação do narrador corresponde exatamente ao que o espectador brasileiro estava vendo em campo.

Trabalhou na Globo (1971-82) e na Record (1982-83, 2003-06), mas foi na Band (1983-2003, 2006-14) que mostrou uma outra faceta do seu talento: a de promotor de esportes. Meio empresário, meio narrador, Luciano do Valle ampliou o espaço da cobertura esportiva do canal e ajudou a dar visibilidade a muitos atletas e a esportes como vôlei, basquete, automobilismo, boxe e, até sinuca.

Ao ajudar a Band a se tornar “o canal do esporte”, em outros tempos, Luciano do Valle de certa forma antecipou a ideia de TV segmentada no Brasil, que ganharia corpo anos depois na TV paga. Não é pouca coisa.

Atualizado às 21h: No momento da morte de Luciano do Valle, a Globo se redimiu de um momento triste, ocorrido em 2012. Na ocasião, ao lembrar dos 30 anos da derrota do Brasil para a Itália na Copa de 1982, o “Esporte Espetacular” exibiu uma reportagem caprichada, incluindo até entrevista com Paolo Rossi. Mas, ao exibir lances do jogo, a emissora optou por colocar a narração dos radialistas Waldir Amaral e Jorge Cury, da Rádio Globo, e não o áudio original, com Luciano do Valle, então narrador da Rede Globo. Lamentei o fato aqui. Neste sábado, já na abertura do “Jornal Nacional”, a emissora exibiu um lance de Brasil e Itália no Sarriá narrado por Luciano. A reportagem do telejornal mostrou mais uma vez os lances que o “Esporte Espetacular”, dois anos atrás, suprimiu. Ainda no telejornal, os três principais narradores da emissora, Galvão Bueno, Cleber Machado e Luis Roberto, deram depoimentos sobre o colega.

Mais informações sobre a sua morte, ocorrida neste sábado (19), podem ser lidas aqui e aqui.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo