Blog do Mauricio Stycer

“Tá no Ar” faz crítica rápida, mas certeira dos absurdos da TV

Mauricio Stycer

11/04/2014 00h48

tanoarSilvioSantos
Uma chamada exibida pouco antes da estreia advertiu o espectador sobre o ritmo de “Tá no Ar: a TV na TV: “O programa pula de canal em canal sem sair da Globo”.

Com a proposta de rir do universo da televisão, o humorístico criado por Marcius Melhem e Marcelo Adnet tentou oferecer ao público, em sua estreia, uma experiência drástica: ficar diante de um aparelho de TV, mas sem poder algum sobre o controle remoto, que freneticamente passa de uma emissora para outra.

“Tá no Ar” se propõe a resgatar uma velha tradição de programas de humor da emissora, presente desde a década de 60, com foco na crítica bem-humorada ao  universo da televisão — “TV0 – TV1”, “Satiricom”, “TV Pirata”, entre outros.

Melhem e Adnet fizeram paródias de várias publicidades famosas (Friboi, Ipiranga, Nextel), piadas com a apelação na TV (“Audiência tá subindo? Bota mais bunda!”), auto-ironia (com Ricardo Macchi falando do seu talento) e até brincadeira com um pronunciamento da presidente Dilma.

tanoarcriticodagloboCom três aparições, o personagem que encarnou o “crítico da Globo” acabou sendo um dos destaques do programa. Nordestino, irado, falando diante de uma câmera tremida, ele reproduziu o discurso mais óbvio, sem sutileza, que se propaga nas redes sociais contra a emissora.

Outra atração de peso foi a boa paródia aos programas policiais vespertinos, chamado “Jardim Urgente”. Com o apresentador gritando “foca em mim”, o quadro tratou como caso policial grave a história de uma criança que destruiu um castelinho de areia na praia. “Por isso sou a favor da redução da maioridade penal”, disse o apresentador.

Uma versão de Silvio Santos apareceu brevemente na tela, vivido por Adnet, dizendo: “O que eu tô fazendo neste canal? Tá errado”. Espero que reapareça com mais calma. Também torço para que o programa exiba um segundo episódio da trepidante série “Pesca Fatal”.

TanoArDoutorSUSA melhor piada, na minha opinão, acabou sendo a versão do seriado “House”, na qual Melhem viveu o médico “Dr. SUS”. Diante dos casos mais graves e horrendos que atendeu no hospital, ele repetia sempre o mesmo diagnóstico: “É virose”.

“Tá no Ar” repetiu, em forma de piada, uma crítica recorrente dos fãs de Adnet, segundo a qual ele era melhor nos tempos da MTV. Foi uma estreia muito boa, mas o ritmo acelerado demais fez a Globo ficar um pouco com a cara da MTV.

Leia também
“Não tenho vaidade em errar ou acertar”, diz Adnet ao lançar humorístico
Com Adnet, Globo ironiza programação de concorrentes em novo humorístico
Faça humor, não faça guerra

Em tempo: Um dos quadros do programa se chama “Pesca Fatal” e não “Pesca Mortal”, como escrevi originalmente. Agradeço aos leitores que me alertaram para o erro.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo